In this city-building strategy game, you control a group of exiled travelers who decide to restart their lives in a new land. They have only the clothes on their backs and a cart filled with supplies from their homeland. The townspeople of Banished are your primary resource.
Análises de usuários:
Todas:
Muito positivas (18,452 análises) - 90% das 18,452 análises de usuários deste jogo são positivas.
Data de lançamento: 18/fev/2014

Inicie a sessão para adicionar este item à sua lista de desejos, segui-lo ou dispensá-lo

Comprar Banished

 

Sobre este jogo

In this city-building strategy game, you control a group of exiled travelers who decide to restart their lives in a new land. They have only the clothes on their backs and a cart filled with supplies from their homeland.

The townspeople of Banished are your primary resource. They are born, grow older, work, have children of their own, and eventually die. Keeping them healthy, happy, and well-fed are essential to making your town grow. Building new homes is not enough—there must be enough people to move in and have families of their own.

Banished has no skill trees. Any structure can be built at any time, provided that your people have collected the resources to do so. There is no money. Instead, your hard-earned resources can be bartered away with the arrival of trade vessels. These merchants are the key to adding livestock and annual crops to the townspeople’s diet; however, their lengthy trade route comes with the risk of bringing illnesses from abroad.

There are twenty different occupations that the people in the city can perform from farming, hunting, and blacksmithing, to mining, teaching, and healing. No single strategy will succeed for every town. Some resources may be more scarce from one map to the next. The player can choose to replant forests, mine for iron, and quarry for rock, but all these choices require setting aside space into which you cannot expand.

The success or failure of a town depends on the appropriate management of risks and resources.

Requisitos de sistema

    Mínimos:
    • SO: Win XP SP3 / Vista / Windows 7 / Windows 8
    • Processador: 2 GHz Intel Dual Core processor
    • Memória: 512 MB de RAM
    • Placa de vídeo: 512 MB DirectX 9.0c compatible card (shader model 2)
    • DirectX: Versão 9.0c
    • Armazenamento: 250 MB de espaço disponível
    • Placa de som: Any
    Recomendados:
    • SO: Windows 7 / Windows 8
    • Processador: Intel Core i5 processor (or greater)
    • Memória: 512 MB de RAM
    • Placa de vídeo: 512 MB DirectX 10 compatible card
    • DirectX: Versão 11
    • Armazenamento: 250 MB de espaço disponível
    • Placa de som: Any
Análises úteis de usuários
130 de 132 pessoas (98%) acharam esta análise útil
2 pessoas acharam esta análise engraçada
63.4 horas registradas
Publicada: 5 de novembro de 2015
Desafiador, frustrante e compensador!

Banished é um game de simulação e gerenciamento de cidades. Desenvolvido e publicado pelo estúdio independente Shining Rock Software LLC. Lançado em fevereiro se 2014 exclusivamente para PC.

A proposta de Banished é apresentar um gerenciador de cidades, assim como SimCity, porém ambientado na idade média. Assim como a maioria dos games do gênero, o jogador deve providencias recursos e atender as necessidades específicas da população, porém Banished tem uma peculiaridade que o torna quase que único, cada habitante tem uma função e se torna fundamental para o desenvolvimento da sua cidade.

Ao começar, o jogador poderá escolher a dificuldade, o tamanho e tipo de mapa, dependendo dessas escolhas o game começará com uma certa quantidade de recursos e habitantes. A premissa de Banished gira em torno de um grupo de pessoas que foram banidas de sua antiga comunidade e precisão se restabelecer em um novo local e cabe ao jogador garantir que tal objetivo seja alcançado.

E é aqui que Banished se diferencia de qualquer game do gênero, pois apresenta uma curva de aprendizado bem acentuada, podendo frustrar até mesmo os mais experientes jogadores do gênero. Em Banished, cada habitante tem um papel fundamental para o desenvolvimento de seu pequeno povoado, o jogador terá que definir sabiamente a função de cada habitante, direcionando-o para coletar recursos e produzir mantimentos que garantam não só o desenvolvimento da cidade, mas também a sobrevivência da própria população.

Se já não bastasse os recursos baixos, os habitantes sofrem com males totalmente fora do controle do jogador, podendo morrer de fome, frio e até mesmo por desastres naturais e a dificuldade do game está justamente aqui, a perda de um único habitante pode ocasionar em um verdadeiro desastre e é extremamente difícil equilibrar os recursos ao ponto de manter de forma sustentável o povoado e ainda faze-lo desenvolver, Um bom exemplo disso é a necessidade constante de se monitorar o estoque de alimentos e lenha, dois dos recursos mais fundamentais do game, basta um pequeno descuido para o estoque cair, causando morte por fome e frio nos rigorosos invernos presentes no jogo.

Além da constante preocupação de se manter o estoque de recursos em um nível aceitável, o jogador pode ser surpreendido com desastres naturais que simplesmente destroem em poucos minutos o trabalho de horas. Incêndios surgem sem prévio aviso e arrasam quadras inteiras do povoado, assim como tornados que causam um grande estrago por onde passam e para finalizar pragas e doenças assolam as plantações e animais.

Toda essa dificuldade que o game apresenta demanda uma certa dedicação do jogador, que terá que definir qual recurso priorizar, qual a função de cada habitante e quais estruturas construir primeiro, tudo isso determinará o sucesso em tornar o povoado sustentável. E o desenvolvimento da sua pequena cidade será algo demorado, lento, pois a população só aumentará com o nascimento e crescimento das crianças geradas na própria vila, isso proporciona uma ótima sensação de realismo ao game.

Apesar da dificuldade inicial que o game apresenta, que afugenta alguns jogadores casuais, o mesmo se torna extremamente compensador após as primeiras inevitáveis derrotas. É extremamente gratificante conseguir estabelecer um povoado, por menor que ele seja, e torna-lo sustentável e prospero.

O interessante é que o game apresenta várias maneiras de se alcançar os objetivos, o jogador poderá investir na agricultura para produzir alimentos, assim como viver única e exclusivamente da caça e da coleta de ervas, ou ainda, se desejar, coletar grandes quantidades de madeira, pedra e até mesmo carvão, para poder comercializa-los e troca-los por outros insumos. Poderá construir escolas, para que os habitantes se tornem mais produtivos, hospitais para melhorar sua saúde, uma taberna para que se divirtam e inúmeras outras construções, todas elas cumprindo uma determinada função e impactando no desenvolvimento do povoado.

O visual de Banished é extremante competente, apresentando belos cenários, que mesmo limitados, atendem de forma satisfatória a proposta do game, além disso o game apresenta mudanças de estações, que deixam os cenários ainda mais belos, como por exemplo no inverno, onde todo o povoado é coberto por neve gerando um belo contraste com a vegetação e as construções. A arquitetura dos edifícios também impressiona, remetendo logicamente a idade média, apresentando um belo nível de detalhes, dando uma personalidade bem distinta ao game.

Banished é um excelente game de gerenciador de cidades, apresentando uma dificuldade desafiadora, que frustra em um primeiro momento, mas que se torna extremamente compensadora após superada. Um game diferente da maioria dos games do gênero, tornando-o quase que indispensável para os fãs de simuladores e gerenciadores de cidades.

Informações adicionais:
Nota geral: 10
Tempo dedicado ao game: aproximadamente 50 horas.
Conquistas desbloqueadas: 10 de 36.
Dificuldade: Entre médio e difícil.
Fica a dica: Mantenha um estoque considerável de alimentos e lenha, essa deve ser sempre a sua principal prioridade, pois sem eles sua população irá fatalmente morrer.
Gameplay: Clique aqui .
Imagens durante a jogatina: Clique aqui .
Vale o preço? Sim, se curte games de gerenciamento e desafiadores pode comprar sem medo.
Modo de jogo: Exclusivamente singleplayer.
Idioma: Inglês, com tradução disponível na oficina da Steam.

Publicado originalmente no Blog PortoHQ.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
21 de 21 pessoas (100%) acharam esta análise útil
22.9 horas registradas
Publicada: 10 de novembro de 2015
Sendo sincero, na primeira vez que vi eu ja sabia que ia gostar do jogo. Misto de city building com estratégia e survivor, um título único a sua maneira, daqueles que você diz pra si mesmo "só vou jogar mais um pouco", dai quando bate o olho no relógio, sabe que vai ter problemas pra levantar no dia seguinte, viciante e divertido.

O objetivo é simples, desenvolver uma vila a partir de poucos habitantes, você planeja, constrói e gerencia, cada cidadão adulto tem sua função e há um misto interessante de micro e macro gerenciamento. A primeira vista a curva de aprendizado pode parecer longa, mas o tutorial do jogo é bem informativo, há boas dicas em guias e vídeos também, então acaba sendo aquele jogo fácil pra se habituar às mecânicas, mas que requer um pouco de dedicação e tempo para aperfeiçoar. As mecânicas por sinal são muito bem feitas e detalhadas, é difícil acreditar que foi um jogo feito apenas por uma pessoa. Os visuais e gráficos são simplificados, mas satisfatórios, acaba sendo bom para quem tem um PC mais simples ou notebook. Qualidade sonora agradável também, destaque para a música de fundo que não cansa, já que é comum passar várias horas no jogo.

Se o gênero te interessa, pode dar uma chance que esse jogo vai te agradar, no começo vai ser comum fazer besteira e ter que recomeçar a sua vila, mas a medida que se pega o jeito e você vê a população crescendo de forma sustentável, é gratificante. É aquele jogo que você mergulha e deixa algumas horas da sua vida, e quando se alcança uma certa excelência perde-se o desafio, mas sera sempre uma boa opção de passatempo.

9/10
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
7 de 7 pessoas (100%) acharam esta análise útil
29.9 horas registradas
Publicada: 27 de abril
Resumo

Um bonito e desafiante citybuilder tematizado em ambiente rural. Difícil no início, viciante uma vez que você alcança o domínio o básico necessário para sobreviver ao longo dos invernos enquanto expande sua comunidade administrando espaço, tempo, recursos e crescimento populacional. Um título que recomendo a preço completo...

-------------------------------------------------------------------------------
Pessoalmente, não aprecio citybuilders... jogos como SimCity não conseguem me prender por muito tempo. Mas Banished tem uma série de elementos visuais e mecânicos que, na primeira sessão, me mantiveram atento por mais de 3 horas... Em primeiro lugar, visualmente, me pareceu uma versão melhor da estética dos primeiros Age of Empires, com bom controle de movimento da câmera e uma geração procedural de cenários que resulta sempre em ambientes plausíveis e únicos em formação.

Modelos humanos são variados, bem animados e razoavelmente detalhados, modelos de animais e vida silvestre são bons. Detalhes da degradação do terreno, da vegetação e da extração de material são satisfatórios e bem emplementados. As construções não têm realmente upgrades, mas são muito bem modeladas. A interface é simples, porém dinâmica e funcional. A sonorização é completa e a música, apesar de pouco variada, é dinâmica, mudando de tom de acordo com a situação.

Isto resulta em uma interação tranquila, com indicações eficientes e acessíveis de quantidades, fluxos e eventualidades; assim como boa disposição das ferramentas com as quais o jogador conta.

A premissa diz que sua comunidade é um grupo que foi banido (Banished) de uma outra comunidade maior. Ou você pode também pensar que não apenas recursos, mas também espaços são limitados e mesmo sua comunidade poderia recorrer a banimentos ou êxodos por falta de comida para todos, ou por não haver lugar para construir sua casa, ou por não haver empregos o suficiente para conter toda população ativa. E, como se estabeleceu para citybuilders desde SimCity em 1986, a administração de quantidades (produção) e fluxos (distribuição) no estabelecimento de uma nova comunidade é o núcleo da mecânica de Banished.

Você não tem uma seleção direta dos trabalhadores, mas ordena construções e atividades no modo como estamos acostumados na maioria dos RTS's e divide mão de obra em números por setor de acordo com demanda. Você também pode designar tarefas em pausa e aumentar a velocidade do tempo, reduzindo ou pausando toda vez que precisar fazer alterações em suas estrategias de produção e distribuição.

O jogo submete sua comunidade a 4 estações bem definidas e a população tem 3 delas para se preparar para o tenebroso de implacável Inverno. Durante o inverno a produção cai, construções demoram mais, fluxo de coleta também diminui e se a produção for mal planejada, a comunidade pode morrer de frio e fome... Ao lado do inverno há outros fatores como epidemias, desastres, acidentes e o próprio manejo do crescimento populacional. Cada linha de recurso tem pelo menos duas fontes diferentes em fluxo e demanda de mão de obra.

Como exemplo de situação interessante em Banished, você NÃO pode manter uma pequena população sem crescimento por muito tempo, ainda que tenha produção mais que suficiente para mantê-la com grande margem de conforto ao longo das estações, pois sem expansão imobiliária as famílias não se dividem em novos casais para gerar novos filhos que se tornarão jovens trabalhadores. A população pode morrer de velhice em plena fartura... interessante...

Por outro lado, se famílias crescerem rápido demais para a capacidade produtiva, o uso de recursos irá provavelmente estrapolar a produção. Familiares mais novos (crianças) começarão a morrer de fome e frio e em pouco tempo você termina com uma comunidade de velhos famintos e debilitados que irão inevitavelmente morrer antes de gerar e formar trabalhadores para a comunidade... lindo...

Todo este sistema soa completo e se torna ainda mais interessante quando se sabe que Banished foi um projeto solo de um talentoso desenvolvedor chamado Luke Hodorowicz e, tendo experimentado a qualidade deste jogo, eu realmente espero por outro título produzido pela Shining Rock Software. Banished é um jogo suficiente em si, com mecânicas firmes e excelente contextualização audio-visual que não posso deixar de recomendar a preço total.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
6 de 6 pessoas (100%) acharam esta análise útil
13.9 horas registradas
Publicada: 22 de janeiro
Banished é uma produção independente da Shinning Rock Software lançado em 2014, o game conquistou os jogadores pelas suas características desafiadoras onde eles devem administrar uma colônia de modo a sobreviver a longos períodos de inverno. O game de simulação possui aparência simples e não requer uma máquina potente para rodá-lo mais por trás dessa simplicidade está um game complexo e viciante.

Ao iniciar um novo game você pode definir as opções que construíram o mapa em que você irá sobreviver, dependendo do modo que você inicia você poderá começar com casas ou não mais não há grande influência para o restante do jogo. O objetivo do game é muito claro você deve sobreviver e tudo é baseado em eventos reais, ou seja, seus cidadãos irão envelhecer, comer, beber, precisar de materiais, locais para morar, plantar, colher e por fim sobreviver ao seu maior inimigo o inverno.

O tempo no game é através do clima começando na primavera o que lhe dá um tempo até o inverno para que você possa produzir alimentos para a sua população, o sistema de clima é a atração principal do jogo, ele define o seu sucesso ou derrota, pois cada tipo de recurso só é gerado em uma época do ano, portanto deve-se gerenciar com cuidado para evitar problemas em sua cidade.

Como a maioria dos games indies oferecem uma grande liberdade para novas mecânicas no Banished isso está extremamente presente ganhando destaque a longevidade da população que vai ficando mais velha e se tornam inutilizáveis nos campos que é um recurso não muito empregado nos Cities Building, além desse outro a chamar atenção é os campos de plantio que com o passar dos anos no game perdem força e geram cada vez menos alimentos.
Essa grande dificuldade e a explosão de informações que são dadas logo no inicio tornam o game muito desafiador, portanto não desanime se suas cinco primeiras cidades não forem para frente é absolutamente normal, pois o tutorial do game é muito simples. Banished é totalmente livre, você fica a vontade para explorar e construir, porém o game possui algumas limitações, um exemplo são as poucas construções disponíveis, e algumas limitações de recursos naturais além da demora de aparecer imigrantes e barcos mercantes.

Ao todo Banished é uma experiência bastante complexa e com um resultado final gratificante, não há nada melhor que ver sua cidade cada vez maior com estoques de comida e recursos gigantescos, apesar do estilo parecer mais do mesmo Banished é totalmente inovador e com certeza vai te oferecer uma experiência jamais vista em jogos de construção de cidades.

O game é bem leve em torno de 300MB mais seus gráficos são bem detalhados e a luminosidade e cores de acordo com a estação do ano são um show a parte, a trilha sonora é limitada a poucas músicas de fundo que se repetem durante toda a jogatina, porém o som gerado pelos cidadãos e suas ações é bem receptivo não transparecendo um game morto. Como um todo Banished é mais um grande trabalho de produtores indies que conseguiram dificultar e inovar em um estilo que há muito tempo era dominado sempre pelo mais do mesmo.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
5 de 6 pessoas (83%) acharam esta análise útil
18.0 horas registradas
Publicada: 28 de novembro de 2015
Melhor jogo de Construção de Cidades.
Muito bem feito, dinamica incrivel e super dificil
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada