The critically acclaimed Prince of Persia® franchise returns for the first time on next-generation platforms with an all-new epic journey. Built by the same award-winning Ubisoft Montreal studio that created Assassin's Creed™, Prince of Persia has been in development for over three years to deliver a whole new action-adventure...
Análises de usuários: Ligeiramente positivas (543 análises)
Data de lançamento: 10/dez/2008

Inicie a sessão para adicionar este jogo à sua lista de desejos ou dispensá-lo

Comprar Prince of Persia®

 

Sobre este jogo

The critically acclaimed Prince of Persia® franchise returns for the first time on next-generation platforms with an all-new epic journey.

Built by the same award-winning Ubisoft Montreal studio that created Assassin's Creed™, Prince of Persia has been in development for over three years to deliver a whole new action-adventure gaming experience to consumers.

With a whole new Prince, storyline, open world environments, combat style, signature illustrative graphical style and the addition of Elika, a deadly new ally, Prince of Persia brings the franchise to new heights of deadly acrobatic artistry and is set to become the #1 action-adventure game of 2008 this holiday season.

  • A new hero emerges: Master the acrobatics, strategy and fighting tactics of the most agile warrior of all time. Grip fall down the face of a building, perform perfectly timed acrobatic combinations, and swing over canyons, buildings and anything that is reachable. This new rogue warrior must utilize all of his new skills, along with a whole new combat system, to battle Ahriman's corrupted lieutenants to heal the land from the dark Corruption and restore the light.
  • A new epic journey begins: Escape to experience the new fantasy world of ancient Persia. Masterful storytelling and sprawling environments will deliver to action-adventure fans an experience that rivals even the best Hollywood movies.
  • A new open world structure: A first for the Prince of Persia franchise — now you have the freedom to determine how the game evolves in this non-linear adventure. Players will decide how they unfold the storyline by choosing their path in the open-ended world.
  • Emergence of a deadly new ally: History's greatest ally is revealed in the form of Elika, a dynamic AI companion who joins the Prince in his fight to save the world. Gifted with magical powers, she interacts with the player in combat, acrobatics and puzzle-solving, enabling the Prince to reach new heights of deadly high-flying artistry through special duo acrobatic moves or devastating fighting combo attacks.

Requisitos de sistema

    • OS: Windows® XP/Windows Vista® (only)
    • Processor: Dual core processor 2.6 GHz Intel® Pentium® D or AMD Athlon™ 64 X2 3800+ (Intel Core® 2 Duo 2.2 GHz or AMD Athlon 64 X2 4400+ or better recommended)
    • Memory: 1 GB Windows XP/2 GB Windows Vista
    • Graphics: 256 MB DirectX® 10.0–compliant video card or DirectX 9.0–compliant card with Shader Model 3.0 or higher (see supported list)*
    • DirectX Version: DirectX 9.0 or 10.0 libraries
    • Hard Drive: 9 GB
    • Sound Card: DirectX 9.0 or 10.0–compliant sound card (5.1 sound card recommended)
    • Input: Windows-compliant keyboard, mouse, optional controller (Xbox 360® Controller for Windows recommended)

    *Supported Video Cards at Time of Release:
    ATI® RADEON® X1600*/1650*-1950/HD 2000–4000 series
    NVIDIA GeForce® 6800*/7/8/9/GTX 260–280 series
    *PCI Express only supported

    Laptop versions of these cards may work but are NOT supported. These chipsets are the only ones that will run this game. For the most up-to-date minimum requirement listings, please visit the FAQ for this game on our support website at: http://support.ubi.com.

    NVIDIA® nForce™ or other motherboards/soundcards containing the Dolby® Digital Interactive Content Encoder required for Dolby Digital audio.

Análises úteis de usuários
45 de 47 pessoas (96%) acharam esta análise útil
1 pessoa achou esta análise engraçada
14.1 hrs registradas
Publicada: 16 de outubro de 2014
The 2008 reboot of Prince of Persia has already gone down in history as a weird specimen, an odd game that was disliked by the series' fans and that Ubisoft hastily tried to sweep under the carpet. As such, I approached the game with a mix of curiosity and caution.

What I found was a beautiful, mesmerizing experience.

The graphics and the music are striking, from the first moment. I understand that the game extensively cell-shaded appearance can be a love-it-or-hate-it experience which won't appeal to everybody, yet I found the game atmosphere beautiful and enticing. Every scenery is wonderfully drawn, and every moment it feels like you are watching a fairy tale unfold before your eyes. I found myself stopping every now and then to look around and visually explore the enviroment around me, taking the time to appreciate the details of the level rather than just calculating where I should aim my next jump.
The rendition of the Prince is also my favourite, so far. Having played through the original Prince of Persia, back in the MS-DOS days, and also through the whole "Sands of time" trilogy, I must say I like this version of the Prince the most. This has mainly to do with the Prince's attitude. There is no sense of urgency in this game, no running against the clock, no being pursued by a deadly monster, no ambition, or thirst for power driving the game's protagonist. He simply stumbled upon an ancient evil which is about to be unleashed; however, he still has all the time in the world to stop him. He embraces the adventure he suddenly found himself in and just goes with the flow, always smiling, always relaxed. When controlling the Prince, you can rush from one level to the next, pursuing enemies, or you can stop and go for a walk through the desert under the moon: nobody's coming at you. This is your story, have it your way.

Speaking about the actual gameplay, a great deal of criticism stems from its dumbed-down difficulty. In fact, there is no "game over" screen, as there is no way to die. Whenever you fall to your death, you witness a cutscene where Elika saves you instead. This is merely a convenience, though: each time you see the cutscene, you know you screwed up; only you don't have to worry about saving, reloading or continuing. To me, that's perfectly fine.
Coming from the "Sands of time" trilogy, the difficulty of navigating treacherous environments feels reduced as well. There are no spikes or deadly contraptions you have to avoid, most envirnomental hazards are about well-timed jumps and avoiding falls. The controls are easy to master, and there is some amount of auto-pilot helping you navigate the most treacherous parkours. All in all, navigating a level feels more relaxing than challenging, although you will sometime need several attempts to figure out how to traverse a difficult section.

The combat system is maybe this game biggest flaw. There are very few enemies scattered throughout the game, so virtually every fight will be a boss fight. You cannot die, but each time you are saved by Elika, your opponent has a chance to recover some life, protracting the battle longer. Fighting in this game is mostly about quick-time events and stringing together your attacks in a long combo, in order to maximize damage. Then it's parrying and ducking, until you can start a combo again. The whole control system seemed stiff here, and whenever I though I had an opening to start a combo I ended up being hit instead. All in all, I never developed a good feeling with the battle system, and boss battles degenerated in a chore rather than a fun experience.

Ultimately, this game might not be for players or long time series fan who are looking for a challenge, but I think its visual style and atmosphere earn this title a place in any gamer's collection. It looks and feels like a remarkable work of art; and each time you complete a level, you watch the scenery transform around you, feeling a genuine sense of reward for your efforts. I definitely recommend to try this one out.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
12 de 17 pessoas (71%) acharam esta análise útil
13.7 hrs registradas
Publicada: 16 de outubro de 2014
Even know its vastly different from the PoP trilogy (WHERES MY TIME TRAVEL AND MY SMARTASS PRINCE?!), I still enjoyed it for what it is: A cool cel-shaded game with parkour, a collect-a-thon, semi open world, and one on one shuffle fights of doom. The battles are more or less repetetive, but it usually feels awesome to just execute overly dramatic sword slashes and finish enemies.

...Until I hit the ending, then I just slightly facepalmed at the cliche dramatic plot twist of an ending.

A HERPA DERPA, LETS KILL (X) THROUGH (Y), THEN KILL (Z), AND HAVE (E) BE SACRIFIED TO ONLY REVIVE (Z) AND ALL HIS SHENANIGAN FRIENDS ((X) AND (Y)). And then I silently said to myself "Bugger off you wacky cel-shaded spinoff! This is just simply a nightmare the real PoP is having because Warrior Within's glitches and/or extensive time travel gave him a stroke.

But aside from the (herpa derpa), its a pretty cool, decent experience with pretty awesome environments, although semi-linear.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
6 de 7 pessoas (86%) acharam esta análise útil
12.3 hrs registradas
Publicada: 1 de fevereiro
So after having played the Prince of Persia trilogy and the two dimnesional original (on console please forgive me, and awhile back) you may notice that this version is vast departure. Sort of..

I was actually impressed at how it remains quite linear whilst still being open world. Mostly regarding pathing and traversal in between objectives and choosing what order you do the objectives.

THIS GAME IS TOO EASY. You literally cannot die. You can't.. Not that you would come close to doing that anyways. All the battles are one on one (2v1 really) but the second person is more of a type of attack and traversal method. The enemies will do stance changes which have visual indications to the effect that only specific types of attacks will affect them where they will go back to regular stance. There are occasional quicktime events in which should you press the wrong button, the only consequence is that the enemy recovers a small bit of health.

Traversal is probably the main draw here. Enviromental puzzles have long been a staple of the Prince of Persia IP. But this too is also easy. Any mistakes made during traversal you are saved by your random encounter companion and brought back to the last flat platform. All in all, this bascially "no fail" state makes the game fairly relaxing as jumping around and collecting "light shards" is fairly mindless and feels pretty good. (and is required to progress)

The narrative throughline I found rather unengaging. The Prince is voiced by Nolan North (the voice of everything that isn't played by Troy Baker.) His performance wasn't bad its just what was being said wasn't interesting. There is a twist in the ending that is fairly unique. Though there a comparison a specific PS2 exclusive (PS3 remake) game that I wont name due to potential spoliers. I won't even put it behind a black bar.

I re-read what I just wrote and I feel like it comes off more negative than I intended. Nonetheless it remains accurrate. In essence this is more Prince of Persia. If you've played previous ones and didn't like them. This will not change your mind.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
7 de 9 pessoas (78%) acharam esta análise útil
1.4 hrs registradas
Publicada: 30 de novembro de 2014
This is a vastly underrated game. Magnificent art direction, excellent voice acting, great music, a good solid plot and writing (although yes, you will get sick of the phrase "sacred ground" pretty quickly), incredible character animation, and game mechanics that steadfastly refuse to punish the player for experimenting.

It was too different from the games that came before it and it was "too easy", so it was considered a failure and Ubisoft went back to the previous incarnation of the franchise. Such a loss, because it was so far ahead of its time.

I played this on a console first and then bought it again for Steam because I didn't want to lose it when my console went obsolete.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
11.3 hrs registradas
Publicada: 2 de outubro de 2014
If I had only one word to choose when describing Prince of Persia it would have to be this: Beautiful. This particular iteration in the Prince of Persia franchise casts aside its former self including combat, art style, and story formula, in favor of a completely new approach. In my opinion this change is for the better as the graphics and character development in the game are some of the best I have yet to experience in a Prince of Persia game.
From the moment you start it becomes very apparent that the Ubisoft Montreal had a distinct vision for how this entry in the series would look and compare to the others. The art style is a mix of cell shading and realism. The vibrant colors of the characters clash sharply with the sand and stone environment making the characters seemingly pop out of the screen.
One of the more elaborate visual effects in the game is the abundant use of cloth physics. Everything that you would expect to be swept up in the wind gets blown around like Marilyn Monroe's skirt, and it works really well. It adds a whimsical feeling to the game when coupled with the amazing color pallet.
Speaking of color, this is why I would use the word beautiful for this game. Ubisoft utilized the entire color pallet with this one. Everything from pastel to neon is implemented so artistically and meaningfully you may find yourself stopping to smell the roses more often than you might expect. The environment changes as you progress and adds a sense of urgency to your mission to bring down the God of Darkness. As you accomplish this the land changes from dark and moody to bright and sunny. The change is animated and dramatic and always fun to watch.
The combat is paired with acrobatics nicely and they go hand in hand in terms of the flow of the game. One moment you may be wall running and the next you're performing a Triple Lutz with your sword over an enemies head. The rhythm of movement and combat is extremely well done and makes you feel very accomplished when you string together a long combo attack or a flawless parkour segment.
In terms of story Prince of Persia gets it right and wrong. While playing you can take a moment to talk to your A.I. controlled counterpart. During these brief exchanges you are given insight into the characters and their past. These optional dialogue moments provide for some of the funniest and most enlightening banter I have ever heard in a game. The problem lies in that they are optional. I don't want to even think about what this game would be like without having done all of the chit chat sessions. Voiced by Nolan North as the Prince and Kari Wahlgren as Elika, these should not be missed as they fundamentally contribute to the story and honestly it's a shame they are optional.
The story is pretty straight foreword so I won't go into too much detail in that regard, but it is engaging and entertaining throughout. As you play you unlock new magical powers that by the end of the game are all used in conjunction to pass certain areas. There are several puzzle sequences that, in a positive way, interrupt the game play flow. These puzzles require you to manipulate switches and levers in order to progress through the level and range in difficulty.
Because the game is open world, environmental hazards evolve as you chip away at Ahriman's corrupted Lieutenants. At the start of the game, traversing the landscape is pretty straight forward. As you progress however it gets a lot more tricky. Everything from pools of corruption to moving tentacle blobs hinder your progression and add a nice steady increase in difficulty. Before you know it you become an expert wall running, ledge grabbing, tower scaling, pole swinging, God crushing princess saving Prince.

Prince of Persia is one of those rare games that allows the player a whimsical and uncomplicated vacation into another world. It refines the series and reimagines it into a beautiful new addition to the franchise. While there was an epilogue DLC released and a continuation story arc in the form of a handheld title, my only regret is that there wasn't a sequel to this wonderful Diamond in the rough in the form of a full game on console or PC.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
2.0 hrs registradas
Publicada: 2 de janeiro
I was a bit skeptical when I first saw the cover art. but after playing it for about an hour it has officially become the best prince of persia game i have ever played. And i've played all of them
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
3 de 4 pessoas (75%) acharam esta análise útil
15.0 hrs registradas
Publicada: 20 de outubro de 2014
I'm about to spoil the ♥♥♥♥ out of this.

You manage to free the bad guy, you literally fight 5 annoying enemies that can't die like hundred times, to go back and imprison the bad guy again to free him again and your 4 hour game go to waste.

Love the ending though, very deep.

♥♥♥♥♥♥ combat system.

The good: beautiful graphics, amazing escenarios, open world (which due to it's repetitive nature may not be that good), great music.

I'll recommend it to you on sale only and take it like what it really is, a flash platformer game, get it for 2 to 3 USD no more.

[b/]Elika is hot and powerful and the prince have great punch lines, the beauty and the ♥♥♥♥♥♥♥♥♥ muscled clown great couple.[/b]
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
3 de 4 pessoas (75%) acharam esta análise útil
17.3 hrs registradas
Publicada: 26 de dezembro de 2014
Great ending!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
4 de 6 pessoas (67%) acharam esta análise útil
14.7 hrs registradas
Publicada: 21 de outubro de 2014
A bit of a lackluster ending, but overall my second favourite PoP game. Fantastic art.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
1 de 2 pessoas (50%) acharam esta análise útil
16.7 hrs registradas
Publicada: 1 de novembro de 2014
Well, I enjoyed playing this for 15 hours and never actually got bored. So I guess it is worthy of your money and time. Still two frustrating things are out there. 1) Ending: It is imo plain stupid and makes the entire story meaningless by going back to square zero. 2) Ubisoft and PC controls. The main thing to do in defeating enemies is to be able press your left click many times in a short amount of time. But it never ever works, so you would need to change the key for attacking to some key on keyboard and since this is ridiculous for a somewhat FPS game, I had to constantly assign attack command to keyboard and mouse. But the design, visuals, some platform elements and the optional dialogue making puts this game above playable level.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
1 de 2 pessoas (50%) acharam esta análise útil
6.1 hrs registradas
Publicada: 28 de novembro de 2014
Its a great game with celshade graphics and its kinda sucks that it's semi-open world although it's not directed, but you decide to complete the game or just keep on playing. I had this for both 360 and ps3. I was angery about ubisoft not releasing the dlc for pc thats for damn sure.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
10 de 10 pessoas (100%) acharam esta análise útil
17.7 hrs registradas
Publicada: 12 de maio de 2014
Eu recomendo esse jogo, apesar de não ser nem de perto melhor q a trilogia lançada na geração PS2/GC/XBOX, ele é agradável de ser jogado. Os esquemas de parkour aliado aos poderes ficaram mto bons; o único problema é q é basicamente isso o jogo inteiro, mta repetição, isso acaba enjoando um pouco.
Entretanto o diálogo entre os dois personagens, na minha opinião ficou mto bom, descontraído, engraçado e carismático!!!
Bom e quanto ao final, eu pelo menos gostei, axei q fugiu um poko do q era previsto.
Se não fosse tão repetitivo teria uma nota maior, os gráficos são um show a parte, o design em cel-shaded ficou excelente.

8,5/10
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
5 de 5 pessoas (100%) acharam esta análise útil
13.2 hrs registradas
Publicada: 29 de março de 2014
Analise feita por alguém que jogou apenas Sands of Times e este:


Se você é daqueles que considera o grande diferencial de Prince of Persia, os puzzles, os saltos e acrobacias, as salas que mais parecem labirintos e a jogabilidade mais estrategica. Este jogo é um prato cheio para você.

Agora, se você é daqueles que acha que o ponto forte da série são os combates, e que o Prince deve ser um Kratos para o jogo ser bom, lutando com 84923842983652874 criaturas ao mesmo tempo, sinto-lhe informar mas este jogo não serve para você.

O combate nesta versão de PoP é individual, como um duelo estrategico onde vc precisa encontrar o momento certo para implicar seu combo, bloquear e contra-atacar.

Comparando com o Sands of Times, é como a ultima batalha daquele jogo, um contra um. Porém, em Sands of Times, apesar de o personagem possuir uma mecanica muito mais voltada para duelos tbm, os desenvolvedores tiveram a ideia de te colocar em situações de Hack'n Slash, com multiplos inimigos, boss e escolta tudo ao mesmo tempo, tornando algumas lutas quase impossiveis e extremamente frustrante (Na minha humilde opinião, hack n slash onde todos os inimigos bloqueiam, se teleportam, contra-atacam, te atacam caido e REVIVEM não é hack n slash)

Se vc ja jogou Sands of Times, fique tranquilo, aqui vc possui as mesmas ferramentas de luta, porém utiliza muito mais da estrategia nos combates.

O foco do jogo é a exploração do cenário.

Os principais ponto fracos pra mim ficam por conta dos controles extremamente simplificados. Por exemplo penas com o Pulo, você faz quase tudo (pula, anda na parede e até o exageiro de um aperto valer por dois, para alcançar distancias maiores nas paredes) O que torna o jogo meio idiota em relação ao SoT.

Você não morre durante o jogo, nem mesmo nas batalhas, o que por um lado pode parecer interessante, pois acaba sendo uma experiencia frustrante morrer em um lugar distante e ter que fazer 10 minutos de jogo para alcançar tal ponto varias vezes, acaba tirando a sua atenção e tornando a jogatina tranquila e monotona até demais.

Poderia ter sido substituido por save points, o que não tiraria aquela sensação de "não posso morrer" ao se deparar com um cenário de dificil acesso.


Resumindo: É um bom jogo? Sim. Um ótimo passa tempo, um jogo bastante tranquilo e visivelmente voltado para um publico mais novo e que nao conhece a série. Porém, não vale os 19,99, a menos que vc já possua outros Prince of Persia (O sands of times por exemplo, vale)
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
6 de 8 pessoas (75%) acharam esta análise útil
4.5 hrs registradas
Publicada: 27 de janeiro de 2014
Graficos iguais do Bordelands, dahora, alem de eu ter zerado toda a coletanea prince of persia, essa aqui foi a melhor na classificação dos Graficos.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
3 de 3 pessoas (100%) acharam esta análise útil
18.9 hrs registradas
Publicada: 1 de maio de 2014
Achei o game muito bom, a mecânica de combate é boa e os controles decentes.
Esse PoP é muitas vezes melhor que o seu sucessor Forgotten Sands, que é horrível, não existe bloqueio nem contra ataque, o sistema de combos era apenas ficar apertando um botão, etc... Já este game tem bloqueio, contra ataque e eu achei o sistema de combos incrível!
O único defeito, se é que pode ser chamado de defeito deste game é que você nunca lutará contra hordas de inimigos como nos outros títulos de PoP. Os inimigos aqui são todos fortes, e até os "soldadinhos" normais são enfrentados da mesma forma que bosses, portanto aquela antiga mecânica de atacar com o direcional para trocar de alvo no meio da batalha não existe.
Resumindo, esse jogo é bem melhor que forgotten sands, mas ainda não chega ao nível da trilogia sands of time.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
2 de 3 pessoas (67%) acharam esta análise útil
10.4 hrs registradas
Publicada: 21 de maio de 2014
Boa história,bom jogo +1
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
1 de 2 pessoas (50%) acharam esta análise útil
27.3 hrs registradas
Publicada: 4 de abril de 2014
O melhor jogo da série desde "The Sands of Time", na minha opinião...

Antes de ser um fã de Prince of Persia, eu sou um fã dos jogos de Jordan Mechner. Este jogo não foi criado por ele, mas é o que mais se aproxima de seus jogos. Prince of Persia, antes é, antes de um jogo repleto de ação, é um jogo que traz um mito e esse mito havia sido perdido e corrompido em Warrior Within.

A Ubisoft traz de volta neste jogo esse mito perdido inspirando-se no zoroastrismo, antiga religião persa que veio a influenciar as religiões monoteístas que existem hoje, para compor a históra.

Mas vamos por partes nesta análise:

CRÍTICAS:
Vou tentar começar pelas críticas porque, na verdade, eu não tenho crítica nenhuma a fazer. Sendo assim vou tentar fazer uma listagem sobre coisas que possivelmente podem desagradar aos que são fãs da trilogia Sands of Time.

A arte gráfica utiliza o estilo cel-shading, deixando um ar ligeiramente cômico, ao invés de ter um ar mais sério.

As batalhas ficaram reduzidíssimas. Você não vai lutar contra dezenas de inimigos de uma só vez, sair pulando de um para o outro e sair os cortando ao meio e lhes decepando a cabeça, nas vai enforcar, assassinar pelas costas, não vai roubar espada de bicho nenhum e nem lutar no estilo dual hand.

Já que falei das batalhas: você luta apenas com uma espada e sempre contra apenas um inimigo de cada vez. Na verdade, quando você entra no ritmo do jogo mesmo, serão apenas 4 inimigos que você vai enfrentar - antes do chefão - e você enfrenta cerca de 5 vezes, o que pode se tornar enjoativo.

Falando em chefão: bastante gente ficou decepcionada com o chefão. Também ficaram dececionados com o final aberto.

Enjoativo também pode se tornar a exploração do jogo, que em geral se resume em ficar coletando umas luzinhas (o que toma boa parte do jogo, na verdade).

Outro detalhe importante é que não se pode morrer. Toda vez que você cometer um erro crítico Elika, a personagem que acompanha o príncipe, o salva.

Por fim: não suporta Steam Overlay. Não sei o motivo. Lembrando que o Overlay funciona mesmo em alguns jogos não-Steam e não funciona em outros imagino que o problema está mais no sistema do Steam Overlay do que no jogo em si, mas seja onde for o prpblema o faot é que você não vai poder acessar a comunidade ou tirar um snapshot direto pro Steam enquanto joga.

ELOGIOS:
Inicialmente tem que ter uma coisa em mente: Este é um novo jogo do POP, uma tentativa de criar uma nova série, ele definitivamente não pertence ao Sands of Time.

Dito isso:

Meu primeiro elogio vai para a trilha sonora. Composta em um trabalho conjunto de Inon Zur e Stuart Chatwood ela é perfeita. Extremamente imersiva, possui um carater épico nas batalhas e em momentos e maior tensão, mas sem perder o toque de música médio-oriental.

A arte gráfica também é perfeita e imersiva. Para ser sincero, foi o primeiro jogo a usar o estilo cel-shading sem ficar ridiculo. As ruínas lembram bastante o estilo de construção do oriente médio. Deixou o jogo com um tom ligeiramente cômico e leve que me agradou bastante.

Como eu disse nas críticas, as batalhas são todas contra um inimigo de cada vez. Isso é um ponto positivo ao se ter conciência que na gênese da série (lá em 1989) era assim. Cada inimigo tem um jeito diferente de se derrotar e cada hora que o enfrente, será de uma forma variada. É talvez a maior ruptura que tem com o The Sands of Time, mas é bom - gostei.

Se o jogo carece as excessivas batalhas contra vários oponentes ao mesmo tempo, ele compensa pelas outras características básicas do jogo: exploração e puzzles. Vai estar sempre tentando descobrir como atravessar do ponto A ao ponto B, tentando pegar o ritmo de certos obstáculos e desvendar quebra cabeças.

Sem dar spoilers, elementos que critiquei lá em cima, defendo-os cá em baixo:

1º o final:
A forma com o chefão é enfretado foi muito importante para humanizar o Príncipe e valorizar a personagem secundária. Em geral não acho o final aberto seja um grande problema: problema é quando o final é aberto, mas não conclui o jogo. Neste caso o final conclui bem o jogo. A história do jogo é bem construida e é redonda, a forma como vem o final aberto dá espaço suficiente para o mítico, para a imaginação do jogador, para fan-fictions e etc. Gostei muito do final, mas muito mesmo.

Agora a grande sacada do jogo: Elika, a princesa. Se desde o The Sands of Time nos acostumamos em ver princesas de personalidades forte e boas guerreiras/arqueiras, aqui tem a uma das melhores personagens femininas da história dos jogos. Elika tem uma personalidade forte, faz acrobacias tão boas quanto as do Príncipe, usa magia, ajuda o príncipe nas batalhas e nas acrobacias.

Se por um lado graças a ela não se pode morrer, há coisas que balanceiam a situação toda: normalmente é preciso fazer longos combos acrobáticos e se você fizer um erro sequer e a Elika precisar te salvar, você voltará lá no início do combo (particularmente considero isto uma forma de morrer e voltar no último checkpoint). Se a Elika precisar de te salvar durante uma batalha haverá uma boa chance que todo o sangue que você tirou do inimigo encha novamente.

VEREDITO:
Em termos de jogabilidade a ruptura com a série anterior é muito grande. Se você for muito apegado aos The Sands of Time, Warrior Within e The Two Thrones, vai ter uma decepção muito grandoe com este.

Mas a série estava precisando dar mesmo uma renovada e ela foi renovada de uma forma brilhante. Traz de volta a tonalidade mítica que tinha nos POPs de Jordan Mechner e mantém certos aspectos cômicos que tinha em "The Sands of Time".

Como afirmei na primeira linha deste review: O melhor jogo da série desde "The Sands of Time".
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
7 de 17 pessoas (41%) acharam esta análise útil
0.7 hrs registradas
Publicada: 24 de março de 2014
Não compre esse jogo! A movimentação é estranha! E o pior de tudo mudaram o esquema de batalha para Duelo! O antigo Hack 'n Slash foi jogado no lixo! Quanto eu pensava em Prince of Persia pensava em duas coisas, os saltos/ corridas nas paredes/ todas as peripécias de sempre e pensava também nas batalhas super divertidas com saltos mortais e investidas das paredes... até um pouco de stealth. Mas esse jogo simplesmente abandonou toda essa parte de batalha! Não posso negar que o gráfico é bonito, mas do que adianta ter gráfico mas não ter jogo?

Não vale a pena jogar.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
0 de 3 pessoas (0%) acharam esta análise útil
1 pessoa achou esta análise engraçada
10.0 hrs registradas
Publicada: 29 de julho de 2013
Eu sinceramente não sei o que a IGN viu nesse jogo para dar 93, perdeu total credibilidade. Já o BaixakiJogos (site que recomendo muito as análises), deu meros 69, classificando como regular. Classificação perfeita e ainda mais perfeito foi essa frase: "[...] quem costuma levar os jogos a sério geralmente quer mais que um simples papo furado como pano de fundo bobo para entrar em lugares sombrios e esgueirar-se através dos mais variados obstáculos." Um jogo bobo e sem historia que se apoia no sucesso da franquia para vender.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
2 de 10 pessoas (20%) acharam esta análise útil
0.5 hrs registradas
Publicada: 10 de junho de 2014
Walt Disney curtiu este jogo! Ficou bem ao estilo dos filmes da disney, ou seja vc não morre, não mata e fica arremessando a sua "namorada" no inimigo enquanto luta, o estilo do duelo n ficou ruim, soh precisavam melhorar as animações q para um jogo lançado depois da trilogia Sands Of Time ficou bem abaixo do nivel da mesma. se você jogou e gostou, recomendo q vc jogue a "trilogia" e repense

Antigamente os jogos eram bem pensados e nos faziam pensar tambem, hoje em dia parecem q sao feitos para r_etardados, ficam explicando em toda luta o q vc deve fazer e ainda pausa ateh vc acertar
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada