O mundo é uma máquina. Uma máquina para porcos. Útil apenas para o abate de porcos. Dos criadores de Amnesia – The Dark Descent e Dear Esther, o mundo recebe um novo jogo de terror em primeira pessoa que o apresentará às profundezas da ambição, do poder e da loucura. A Machine for Pigs não sairá da sua cabeça e devorará o seu coração.
Data de lançamento: 10/set/2013

Comprar Amnesia: A Machine for Pigs

$19.99

Pacotes que incluem este jogo

Comprar Amnesia Collection

Inclui 2 itens: Amnesia: The Dark Descent, Amnesia: A Machine for Pigs

Sobre o jogo

O mundo é uma máquina. Uma máquina para porcos. Útil apenas para o abate de porcos.

Dos criadores de Amnesia – The Dark Descent e Dear Esther, o mundo recebe um novo jogo de terror em primeira pessoa que o apresentará às profundezas da ambição, do poder e da loucura. A Machine for Pigs não sairá da sua cabeça e devorará o seu coração.

O ano é 1899

O rico industrialista Oswald Mandus acorda em sua cama com febre e amaldiçoado pelos sonhos de um motor obscuro e infernal. Torturado por visões de uma expedição desastrosa ao México, enlouquecido pelos sonhos fracassados de uma utopia industriária, acometido por culpa e por uma doença tropical, ele acorda em um pesadelo. A casa está silenciosa, mas o chão sob ele vibra por causa de uma máquina infernal. Mandus só sabe que seus filhos estão em grave perigo e que cabe a ele salvá-los.

Principais características

  • Abordagem inovadora ao mundo de Amnesia sem renegar a origem.
  • A história mais obscura e horrenda já contada em um jogo.
  • Trilha sonora esplêndida criada pela premiada compositora Jessica Curry.

Requisitos do sistema – PC

    Minimum:
    • OS: Windows Vista
    • Processor: CPU Intel Core i3 / AMD A6 de linha média ou equivalente.
    • Memory: 2 GB RAM
    • Graphics: NVIDIA GeForce 200 / AMD Radeon HD 5000 de linha média. A Intel HD Graphics integrada deve funcionar, mas não tem suporte. Geralmente os problemas são resolvidos ao atualizar os drivers.
    • Hard Drive: 5 GB available space
    Recommended:
    • OS: Windows 7
    • Processor: CPU Intel Core i5 / AMD FX de linha superior ou equivalente.
    • Memory: 4 GB RAM
    • Graphics: NVIDIA GeForce 400 / AMD Radeon HD 6000 de linha superior. A Intel HD Graphics integrada deve funcionar, mas não tem suporte. Geralmente os problemas são resolvidos ao atualizar os drivers.
    • Hard Drive: 5 GB available space

Requisitos do sistema – Mac

    Minimum:
    • OS: OS X 10.6.8
    • Processor: CPU Intel Core i3 / AMD A6 de linha média ou equivalente.
    • Memory: 2 GB RAM
    • Graphics: NVIDIA GeForce 200 / AMD Radeon HD 5000 de linha média. A Intel HD Graphics integrada deve funcionar, mas não tem suporte. Geralmente os problemas são resolvidos ao atualizar os drivers.
    • Hard Drive: 5 GB available space
    Recommended:
    • OS: OS X 10.7.5
    • Processor: CPU Intel Core i5 / AMD FX de linha superior ou equivalente.
    • Memory: 4 GB RAM
    • Graphics: NVIDIA GeForce 400 / AMD Radeon HD 6000 de linha superior. A Intel HD Graphics integrada deve funcionar, mas não tem suporte. Geralmente os problemas são resolvidos ao atualizar os drivers.
    • Hard Drive: 5 GB available space

Requisitos do sistema - Linux

    Minimum:
    • OS: Distribuição popular do Linux de 2010.
    • Processor: CPU Intel Core i3 / AMD A6 de linha média ou equivalente.
    • Memory: 2 GB RAM
    • Graphics: NVIDIA GeForce 200 / AMD Radeon HD 5000 de linha média. A Intel HD Graphics integrada deve funcionar, mas não tem suporte. Geralmente os problemas são resolvidos ao atualizar os drivers.
    • Hard Drive: 5 GB available space
    Recommended:
    • OS: Distribuição popular do Linux de 2012.
    • Processor: CPU Intel Core i5 / AMD FX de linha superior ou equivalente.
    • Memory: 4 GB RAM
    • Graphics: NVIDIA GeForce 400 / AMD Radeon HD 6000 de linha superior. A Intel HD Graphics integrada deve funcionar, mas não tem suporte. Geralmente os problemas são resolvidos ao atualizar os drivers.
    • Hard Drive: 5 GB available space
Análises úteis de usuários
11 de 11 pessoas (100%) acharam esta análise útil
3.3 hrs registradas
O jogo começa com uma historia boa que ao desenrolar você não da muita credibilidade, até porque nada é jogado na sua cara, "mastigado", você tem que correr atrás da historia procurando por notas e lendo as anotações do seu personagem e a unica coisa que ficamos sabendo logo de cara é que seus filhos estão te guiando para algo, nada além disso é explicado.

No Decorrer do jogo que por sinal é muito, muito curto. Fechei em 3 horas e meia. Ficamos sabendo das atrocidades que ocorrem na fabrica, literalmente uma fabrica de porcos, que os dão vida como pessoas comuns, brincam etc...

O Proposito de cria-los foi para "Matar" todo e qualquer "espirito impuro", que me veio na cara o "Nazismo", foi a primeira coisa que veio a minha cabeça.

Então a historia parte dali, você em busca dos seus filhos pela grande fabrica...

Dentre o Gameplay você interage com poucas coisas, cadeiras, gavetas, engrenagens, portas, pedras e seu Candeeiro.

Nada de mais, nada de inovador. Realmente o primeiro Amnesia é muito melhor, compre apenas por menos de 10 reais.

Fora os bugs que incomodam a escuridão total e sustos sem nexo, não vá pensando que é um Outlast da vida ou algo até pior, parece jogo de sessão da tarde.

Mas a historia é boa e contada de modo inteligente.

Como eu disse, compre apenas em promoção super extravagante.

Até mais.
Publicada: 22 de junho
Você achou esta análise útil? Sim Não
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
5.0 hrs registradas
Para aqueles que jogaram o primeiro jogo (Amnesia: The Dark Descent), este será fácil. Para os que não jogaram, nem tanto.
Amnesia volta para nos matar do coração novamente e tirar nosso sono. Mas será que terá sucesso novamente?
Amnesia: A Machine For Pigs é, como muito sabem, o segundo e mais recente jogo da série. Muitos elementos do primeiro jogo não estão mais presentes neste, o que facilita demais o jogo. A lanterna não gastar mais óleo, e a falta de luz não te deixar louco, acabaram com boa parte do medo. Os puzzles também são bem mais facéis de serem resolvidos no novo título.
Sem comparar com o primeiro, porém, Amnesia: A Machine for Pigs é um ótimo jogo de terror. Os puzzles não apresentam muita dficuldade, mas alguns podem te deixar preso porum tempo. A história é muito boa, e o jeito que esta nos é apresentada é perfeito. A trilha sonora e efeitos sonors são, como era de se esperar, incríveis. Os jump scares são menos frequentes, e o medo aqui é algo mais pessoal. Conforme o jogo progredia meu medo não era somente morrer de forma brutal, mas também de descobrir quem era meu personagem, e que tipo de coisa terrível eu teria feito para merecer aquele inferno.
No fim das contas, o jogo pode não ser tudo o que se espera de um jogo de terror. Apesar do queda dos jump scares desde o primeiro jogo, este novo título traz uma história terrivelmente pessoal e um terror psicológico muito bom.
Sem sombra de dúvidas, recomendo este jogo.
Publicada: 29 de junho
Você achou esta análise útil? Sim Não
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
8.2 hrs registradas
Para quem falou que esse jogo era fraco e etc...! está muito enganado, esse jogo e muito ♥♥♥♥ (: pode comprar sem medo :D
Publicada: 7 de julho
Você achou esta análise útil? Sim Não
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
10.0 hrs registradas
[1-5]

Gráfico (Graphic)....: 3
Som (Sound)..........: 5
História (History)....: 5

Single Player...........: 5
Multiplayer..............: -

###

Em comparação ao primeiro você leva menos quantidade de sustos mas os sustos estão presentes e fortes. O som é espetacular (músicas, vozes, efeitos...). O gráfico melhorou um pouquinho mas ainda é mediano porém satisfatório. A história é espetacular (o que a raça humana é capaz de fazer, demônio interior, perda, arrependimento, tristeza, redenção, apocalipse...)

###

Compared to the first you take the least amount of scares but the scares are present and strong. The sound is spectacular (songs, voices, effects ...). The chart has improved slightly but is still average but satisfactory. The story is spectacular (what the human race is capable of, inner demon, loss, regret, sadness, redemption, apocalypse ...)
Publicada: 29 de agosto
Você achou esta análise útil? Sim Não
5 de 8 pessoas (63%) acharam esta análise útil
10.1 hrs registradas
História com bastante terror, porém com poucas cenas que provocam sustos. Durante o jogo há várias cenas que vão provocar medo, porém o Amnesia: The Dark Descent era muito mais horripilante. Gostei bastante do jogo, mas prefiriria que este fosse ligado a história do primeiro.
Publicada: 31 de maio
Você achou esta análise útil? Sim Não
45 de 49 pessoas (92%) acharam esta análise útil
7.8 hrs registradas
Uma das primeiras coisas que percebi em Amnesia A Machine for Pigs foi algo que apontava para uma escolha de design que significantemente distingue ele de seu antecessor: Não há mais um inventário e os puzzles não mais compõe um aspecto muito presente no jogo. A primeira vista isso tinha me parecido meramente uma tentativa de simplificar e minimizar, mas na verdade é mais do que isso; se trata de um investimento em um componente que é central nesse jogo, a sua atmosfera. Sistemas de inventário – assim como puzzles inverossímeis – podem causar quebras de imersão do jogador, pois eles te fazem lembrar que “aquilo é só um jogo”. Essa escolha de design que leva à “eliminação do HUD” é algo que já era explicitado nos planos de design do primeiro game (Amnesia The Dark Descent), por isso é que desde então ele já usava de um sistema extensivo e silencioso de autosave, se trata na realidade de minimizar a necessidade do jogador de acessar interfaces e assim manter o nível certo de “suspenção da descrença” e também de determinar o ritmo ideal do gameplay.

E o investimento na construção de uma atmosfera forte, consistente e absorvente definitivamente não param por aí. Tudo trabalha de uma forma coerente: Na área sonora, por exemplo, Amnesia A Machine For Pigs é excepcional; há uma combinação muito harmoniosa de sons arrepiantes (tais como portas rangendo) com uma musicalidade bizarra e tensa que vai desde o som daqueles waterphones típicos de filmes de terror com o som de mulheres cantando ópera, todos estes tendo uma qualidade muito realística. Muitas vezes esses efeitos sonoros chegam a passar uma impressão convincente de serem alucinações sonoras, notei inclusive como em certo momento o nosso protagonista ouve uma voz o chamando, após averiguação se percebe que o dono da voz não está ali e o cara estava simplesmente "ouvindo coisas", mas mesmo assim não era uma voz fantasmagórica (como são tipicamente representadas as “vozes que só existem na cabeça” em filmes e vídeo games), era uma voz que parecia estar lá no local e essa é justamente uma experiência que é muito mais condizente com as alucinações sonoras de verdade que são frequentemente tidas por pessoas com problemas mentais, principalmente esquizofrênicos.

O level design também não fica pra traz, ele cumpre muito bem duas funções: A primeira é causar medo, frequentemente através de formas claustrofóbicas e também através de uma delimitação que cria vulnerabilidades ao player character, obrigando-o a se expor para prosseguir. E a segunda função é reforçar o seu próprio contexto – que é a Inglaterra no século XIX – com um cenário recheado da cultura material victoriana (passando por tudo desde a sua tecnologia, sua mobília, sua arquitetura e até a sua arte) e assim reforçar aquele aspecto que eu havia dito ser tão importante: A atmosfera consistente e imersiva.

O tipo de terror que se encontra em Amnesia é altamente metódico, não é simplesmente feito na base da “bricolagem”, possui uma teoria sobre a qual se funda; mais especificamente, o jogo cria medo e terror com muita inspiração em métodos de tortura, especialmente tortura medieval. Isso é explicado no gameplay comentado pelos devs de The Dark Descent: Uma sessão de tortura se inicia explicando a vítima com muitos detalhes todos os procedimentos atrozes que lhe serão acometidos para assim a encher de medo e tensão, depois os procedimentos são de fato executados, lentamente, depois se pausa para que a dor passe um pouco, depois se inflige dor novamente e assim por diante... Esse modo de operação para tortura foi usado historicamente e ainda é usado até hoje e é justamente de sua estrutura básica que Amnesia extrai sua fórmula: “tensão seguida de dor seguida de pausa seguida de dor e repita à exaustão...”

Ritmo é, portanto, outro aspecto importantíssimo de Amnesia. O jogo tem um passo lento, lento ao ponto que pessoas que tenham dificuldade pra se imergir na atmosfera ou que já estejam muito acostumadas a jogos onde 250 coisas explodem a cada minuto provavelmente se entediarão rapidinho. Todavia, para quem se “sincroniza” com o ritmo do jogo o resultado é um nível alto de tensão e medo e horror que se prolonga ao extremo chegando a causar algumas musculaturas doloridas e dores de cabeça por excesso de adrenalina.

Notar todas essas escolhas cuidadosamente feitas pelos desenvolvedores do jogo é o que me faz perceber com clareza o ponto mais alto de Amnesia, isso é: A genialidade do seu design. Não tem nada no jogo que está lá simplesmente por estar, tudo é colocado com intenção de se construir algo profundamente horripilante que parte de um ideal metódico de se fazer terror que já foi premeditado com muito cuidado e reflexão. Se trata obviamente de um jogo feito com muita inteligência e esmero.
Publicada: 23 de dezembro de 2013
Você achou esta análise útil? Sim Não