For a thousand years, three opposing forces have waged war for what they believe is true. There can be no room for compromise: their way is the only way. Dubbed The Infinite War, this devastating conflict has taken its toll on a once-peaceful galaxy and has only served to deepen the hatred between the factions.
Análises de usuários:
Últimas:
Muito positivas (12 análises) - 83% das 12 análises de usuários dos últimos 30 dias são positivas.
Todas:
Muito positivas (777 análises) - 88% das 777 análises de usuários deste jogo são positivas.
Data de lançamento: 20/fev/2007

Inicie a sessão para adicionar este item à sua lista de desejos, segui-lo ou dispensá-lo

Indisponível em Português (Brasil)
Este produto não está disponível no seu idioma. Confira a lista de idiomas oferecidos antes de comprar.

Comprar Supreme Commander

Pacotes que incluem este jogo

Comprar Supreme Commander Gold Edition

Inclui 2 itens: Supreme Commander, Supreme Commander: Forged Alliance

 

Sobre este jogo

For a thousand years, three opposing forces have waged war for what they believe is true. There can be no room for compromise: their way is the only way. Dubbed The Infinite War, this devastating conflict has taken its toll on a once-peaceful galaxy and has only served to deepen the hatred between the factions. After centuries of struggle, the battle for supremacy has at last reached a turning point. Under your strategic command and leadership, will your faction reign supreme? Will you be victorious and elevate your race to domination? Or will you lead them into the hell of defeat and ultimate extinction?

Requisitos de sistema

    Recommended:
    • OS: Windows® XP Service Pack 2, Windows® Vista
    • Processor: 3.0 GHz Intel or equivalent AMD processor or better
    • Memory: 1 GB RAM or better
    • Hard Disk Space: 8GB available hard drive space
    • Video Card: 256 MB video RAM, with DirectX 9 Vertex Shader / Pixel Shader 2.0 support (Nvidia 6800 or better)
    Minimum:
    • OS: Windows® XP Service Pack 2, Windows® Vista
    • Processor: 1.8 GHz processor
    • Memory: 512 MB RAM
    • Hard Disk Space: 8GB available hard drive space
    • Video Card: 128 MB video RAM or greater, with DirectX 9 Vertex Shader / Pixel Shader 2.0 support (ATI 9600+, Nvidia 6200+)
Análises de usuários
Sistema de análises de usuários atualizado! Saiba mais
Últimas:
Muito positivas (12 análises)
Todas:
Muito positivas (777 análises)
Últimas análises
paulo.pontes
1.2 horas registradas
Publicada: 9 de setembro de 2015
Quando a dificuldade do jogo vem da interface do usuário e não dos inimigos, algo está muito errado!
Gonzales_RJBR
0.4 horas registradas
Publicada: 6 de agosto de 2015
Primeiro jogo da série que embora esteja com os gráficos datados, para a época representou um jogo de estratégia com unidades massivas. Recomendo a título de curiosidade ou se for fá do gênero... E claro, se tiver em uma boa promoção! rs
ricardomal
2.9 horas registradas
Publicada: 23 de maio de 2015
Jogo muito legal que levou o espírito de Command & Conquer a outro nível. O principal aspecto de melhoria é a inserção do commander, esta unidade que também pode ser chamada de construção, já que serve como base para tudo, lembrando um Town Center. A figura do commander ajuda no ataque inicial e construção das construções base, a partir dai já temos peões para construir coisas de Nível 2 e 3.

Apesar do jogo ser bom ele não me cativou para uma jogatina de horas a fio, talvez pela falta de outros jogadores, pois ele se mostra muito mais legal quando estamos em multiplayer.
Joatsquad
6.9 horas registradas
Publicada: 25 de novembro de 2014
Great game a real RTS classic. But I must warn any future buyer: This game may not work in Win 7 without some steps best explained in the foruns. It is not dificult to do, but when someone like Steam sell a software, it must be fully functional! This is my only regret. otherwise i would recommend this game.
C0RE
1.7 horas registradas
Publicada: 3 de novembro de 2014
Sinto que devo positivar só pelo mapa tático. O tal é uma visão top-down e abstrata de todo mapa com informações de posição de unidades, ordens, cobertura de fogo e de radar et cetera. Para acessa-lo basta rodar o mouse e ele é tão útil e prático que minimapas passam a ser obsoletos. Esse recurso é marca registrada da série e eu fico triste por outros RTSs não terem copiado mesmo.
Entretanto o jogo é muito complexo, são três tiers de unidades e estruturas. E entre outras coisas isso faz do jogo um passatempo longo e tedioso.
Battousai
3.6 horas registradas
Publicada: 31 de outubro de 2014
Este RTS traz de volta o grande jogo total anihilation, com o aditivo de haver mais uma raça pra podeser escolher.
Rising
103.1 horas registradas
Publicada: 20 de junho de 2014
É um excelente jogo, só que, infelizmente, sempre ouvia dos fãs do Total Annihilation (o predecessor do SupCom, para quem não conhece) que o jogo "não é tão bom assim", ou que "não valia a pena". Por acreditar nisso acabei muito tempo afastado deste jogo, mas sugiro que não acreditem nestas conversas como eu acreditei no passado.

Gameplay

Do ponto de vista do gameplay, ele corrige vários problemas existentes no Total Annihilation, em que existia uma certa dominação por uma quantidade reduzida de unidades, e você tinha todo o resto de unidades sem nenhuma utilidade para o jogo, algo que era ainda mais agravado no multiplayer e só pôde ser corrigido através de mods.

No Supreme Commander a grande maioria das unidades possuem uma razão para existir, elas estão separadas em três categorias distintas (terra, ar e mar), no qual cada uma é dividida em quatro níveis de tecnologia (níveis 1, 2, 3 e as unidades experimentais). Mesmo as unidades de níveis mais baixos possuem uma razão para existir, você compreende que algumas unidades cumprem seu papel em um período específico da partida. A introdução de unidades experimentais é uma adição interessante em que você deve gerenciar seus recursos e descobrir o "timing" correto para produzí-las: são unidades muito caras, mas com efeito devastador, algumas até consideradas como um "game-ender" em que, após a conclusão da construção de uma delas, é apenas questão de tempo até você vencer a partida.

Uma coisa que pode ser considerada frustrante para os fãs do Total Annihilation é a modificação das unidades de artilharia e uma maior importância dos mísseis de longa distância, em ambos os casos as armas não são afetadas pelas características do terreno e podem acertar qualquer alvo dentro de seu raio de atuação. Isto diminui a importância tática do terreno na hora de posicionar sua base e força o jogador a utilizar escudos e unidades anti-mísseis para se proteger.

O pathfinding das unidades é satisfatório, você não irá se preocupar com unidades "travando" no meio do caminho. Além disso, a interface é melhorada para que você possa atribuir vários comandos (ou cancelá-los) à várias unidades em sequência, novamente garantindo que o jogador não tenha que se preocupar com detalhes menos importantes do jogo.

As três facções (quatro na expansão Forged Alliance, que eu também recomendo!) apesar de possuírem unidades que cumprem papéis bastante semelhantes, possuem características suficientemente distintas a ponto de você não enxergá-las apenas como uma mudança meramente estética. Por exemplo a UEF possui unidades com melhor defesa, e possuem unidades experimentais de propósito mais genérico, os Aeon possuem unidades especialistas em cumprir bem apenas uma única função, etc.

Singleplayer

A campanha de jogo possui uma história boa o suficiente para dar motivação ao jogador progredir nas missões. Um detalhe interessante é que, em vez de oferecer várias missões pequenas, a campanha foca em oferecer uma única missão, no qual o tamanho do mapa vai aumentando progressivamente conforme você vai cumprindo novos objetivos que lhes são dados. Apesar disso, tenho que criticar a duração das missões, no qual um jogador novato pode cumprir cada uma delas em 2 horas na dificuldade média. Considerando que são apenas 6 missões por facção, totalizando 18 missões para as três, isso não é um conteúdo muito extenso. Leve em consideração que o Total Annihilation continha 25 missões por facção, totalizando 50 missões, apesar que uma parte delas possui uma duração relativamente curta.

Porém, o modo de jogo "skirmish" poderá continuar entretendo o jogador, considerando a disponibilidade de novos mapas e mods para baixar para o SupCom disponível na internet.

Multiplayer

Não tive a oportunidade de experimentar o modo multijogador do SupCom, mas posso imaginar que seja tão bom ou melhor que o modo "skirmish" contra a CPU.

Trilha Sonora

Novamente com uma trilha sonora composta pelo Jeremy Soule (o mesmo compositor da trilha do Total Annihilation), ela se encaixa perfeitamente no ambiente do jogo, considerando que a música se altera conforme a situação da partida (por exemplo, quando ocorre uma batalha).

Gráficos

Os gráficos continuam aceitáveis para os padrões atuais. Os únicos problemas que posso apontar é que você pode notar algum problema na qualidade das texturas das unidades com um zoom muito aproximado e as árvores dos cenários não são muito realistas. Mas não são problemas tão graves a ponto de afetar a experiência de jogo.
Menino Razor
25.0 horas registradas
Publicada: 24 de maio de 2014
Só joguei porque paguei menos de 1 real nesse jogo.
1.2 horas registradas
Publicada: 19 de abril de 2014
Chris Taylor é um gênio e Supreme Commander é uma obra de arte estratégica.
9/10
CreamCracker_
6.7 horas registradas
Publicada: 2 de março de 2014
Fraco! Eu esperava bem mais deste game. Minha empolgação com o clássico Total Annihilation não foi alcançada. O game até tenta ser um bom RTS e regastar a franquia nesta geração, mas deixa muito a desejar. Infelizmente este ficará empoeirando na cloud.
Análises mais úteis  No geral
0 de 1 pessoas (0%) acharam esta análise útil
Não recomendado
6.7 horas registradas
Publicada: 2 de março de 2014
Fraco! Eu esperava bem mais deste game. Minha empolgação com o clássico Total Annihilation não foi alcançada. O game até tenta ser um bom RTS e regastar a franquia nesta geração, mas deixa muito a desejar. Infelizmente este ficará empoeirando na cloud.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
0 de 1 pessoas (0%) acharam esta análise útil
Não recomendado
1.2 horas registradas
Publicada: 9 de setembro de 2015
Quando a dificuldade do jogo vem da interface do usuário e não dos inimigos, algo está muito errado!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
1 de 7 pessoas (14%) acharam esta análise útil
Não recomendado
25.0 horas registradas
Publicada: 24 de maio de 2014
Só joguei porque paguei menos de 1 real nesse jogo.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
Recomendado
1.2 horas registradas
Publicada: 19 de abril de 2014
Chris Taylor é um gênio e Supreme Commander é uma obra de arte estratégica.
9/10
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
Recomendado
103.1 horas registradas
Publicada: 20 de junho de 2014
É um excelente jogo, só que, infelizmente, sempre ouvia dos fãs do Total Annihilation (o predecessor do SupCom, para quem não conhece) que o jogo "não é tão bom assim", ou que "não valia a pena". Por acreditar nisso acabei muito tempo afastado deste jogo, mas sugiro que não acreditem nestas conversas como eu acreditei no passado.

Gameplay

Do ponto de vista do gameplay, ele corrige vários problemas existentes no Total Annihilation, em que existia uma certa dominação por uma quantidade reduzida de unidades, e você tinha todo o resto de unidades sem nenhuma utilidade para o jogo, algo que era ainda mais agravado no multiplayer e só pôde ser corrigido através de mods.

No Supreme Commander a grande maioria das unidades possuem uma razão para existir, elas estão separadas em três categorias distintas (terra, ar e mar), no qual cada uma é dividida em quatro níveis de tecnologia (níveis 1, 2, 3 e as unidades experimentais). Mesmo as unidades de níveis mais baixos possuem uma razão para existir, você compreende que algumas unidades cumprem seu papel em um período específico da partida. A introdução de unidades experimentais é uma adição interessante em que você deve gerenciar seus recursos e descobrir o "timing" correto para produzí-las: são unidades muito caras, mas com efeito devastador, algumas até consideradas como um "game-ender" em que, após a conclusão da construção de uma delas, é apenas questão de tempo até você vencer a partida.

Uma coisa que pode ser considerada frustrante para os fãs do Total Annihilation é a modificação das unidades de artilharia e uma maior importância dos mísseis de longa distância, em ambos os casos as armas não são afetadas pelas características do terreno e podem acertar qualquer alvo dentro de seu raio de atuação. Isto diminui a importância tática do terreno na hora de posicionar sua base e força o jogador a utilizar escudos e unidades anti-mísseis para se proteger.

O pathfinding das unidades é satisfatório, você não irá se preocupar com unidades "travando" no meio do caminho. Além disso, a interface é melhorada para que você possa atribuir vários comandos (ou cancelá-los) à várias unidades em sequência, novamente garantindo que o jogador não tenha que se preocupar com detalhes menos importantes do jogo.

As três facções (quatro na expansão Forged Alliance, que eu também recomendo!) apesar de possuírem unidades que cumprem papéis bastante semelhantes, possuem características suficientemente distintas a ponto de você não enxergá-las apenas como uma mudança meramente estética. Por exemplo a UEF possui unidades com melhor defesa, e possuem unidades experimentais de propósito mais genérico, os Aeon possuem unidades especialistas em cumprir bem apenas uma única função, etc.

Singleplayer

A campanha de jogo possui uma história boa o suficiente para dar motivação ao jogador progredir nas missões. Um detalhe interessante é que, em vez de oferecer várias missões pequenas, a campanha foca em oferecer uma única missão, no qual o tamanho do mapa vai aumentando progressivamente conforme você vai cumprindo novos objetivos que lhes são dados. Apesar disso, tenho que criticar a duração das missões, no qual um jogador novato pode cumprir cada uma delas em 2 horas na dificuldade média. Considerando que são apenas 6 missões por facção, totalizando 18 missões para as três, isso não é um conteúdo muito extenso. Leve em consideração que o Total Annihilation continha 25 missões por facção, totalizando 50 missões, apesar que uma parte delas possui uma duração relativamente curta.

Porém, o modo de jogo "skirmish" poderá continuar entretendo o jogador, considerando a disponibilidade de novos mapas e mods para baixar para o SupCom disponível na internet.

Multiplayer

Não tive a oportunidade de experimentar o modo multijogador do SupCom, mas posso imaginar que seja tão bom ou melhor que o modo "skirmish" contra a CPU.

Trilha Sonora

Novamente com uma trilha sonora composta pelo Jeremy Soule (o mesmo compositor da trilha do Total Annihilation), ela se encaixa perfeitamente no ambiente do jogo, considerando que a música se altera conforme a situação da partida (por exemplo, quando ocorre uma batalha).

Gráficos

Os gráficos continuam aceitáveis para os padrões atuais. Os únicos problemas que posso apontar é que você pode notar algum problema na qualidade das texturas das unidades com um zoom muito aproximado e as árvores dos cenários não são muito realistas. Mas não são problemas tão graves a ponto de afetar a experiência de jogo.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
Recomendado
60.5 horas registradas
Publicada: 2 de agosto de 2013
Como eu gosto deste jogo!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
Recomendado
1.7 horas registradas
Publicada: 3 de novembro de 2014
Sinto que devo positivar só pelo mapa tático. O tal é uma visão top-down e abstrata de todo mapa com informações de posição de unidades, ordens, cobertura de fogo e de radar et cetera. Para acessa-lo basta rodar o mouse e ele é tão útil e prático que minimapas passam a ser obsoletos. Esse recurso é marca registrada da série e eu fico triste por outros RTSs não terem copiado mesmo.
Entretanto o jogo é muito complexo, são três tiers de unidades e estruturas. E entre outras coisas isso faz do jogo um passatempo longo e tedioso.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
Recomendado
3.6 horas registradas
Publicada: 31 de outubro de 2014
Este RTS traz de volta o grande jogo total anihilation, com o aditivo de haver mais uma raça pra podeser escolher.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
Recomendado
14.2 horas registradas
Publicada: 14 de março de 2013
Pra quem lembra do lendário Total Annihilation de 1997 o Supreme Commander é do mesmo criador e trás um sistema bem semelhante ao usando em TA.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
Recomendado
8.9 horas registradas
Publicada: 27 de agosto de 2013
Um dos melhores RTS de todos os tempos!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada