War is Hell NecroVision is a first-person shooter that takes gamers across the frantic battlegrounds of World War I and into a dark underworld of vampires, demons and dark magic. Seeking adventure, young American Simon Bukner joins the British army in war-torn Europe of 1916.
Data de lançamento: 20 maio 2009
Marcadores populares para este produto:
Assistir ao vídeo em HD
Baixa violência: German low violence version only available with German language

Comprar NecroVision

$9.99

Pacotes que incluem este jogo

Comprar NecroVisioN + NecroVisioN: Lost Company

Inclui 2 itens: NecroVision, NecrovisioN: Lost Company

Análises

"Visual Impressionante" — IGN
"Dá ação sem parar do começo ao fim" — videogamer.com

Sobre o jogo

War is Hell
NecroVision is a first-person shooter that takes gamers across the frantic battlegrounds of World War I and into a dark underworld of vampires, demons and dark magic.
Seeking adventure, young American Simon Bukner joins the British army in war-torn Europe of 1916. During a particularly ferocious battle, Bukner and his battalion are pushed into a series of dark trenches where they encounter mysterious phenomenon. As they move through the labyrinth they discover that there is a greater evil hiding underneath the battle-fields of the Great War — an evil that is forcing its way into our world and threatens to wipe out humanity. In the depths of this newly discovered underworld, Bukner must confront the dark forces and fight for the survival of mankind.
Features
  • An engrossing storyline blends elements of a traditional war shooter with magic and the supernatural world
  • Players fight with authentic WWI era weapons, powerful magic artifacts and vampire powers
  • Hordes of enemies that include humans, demons and vampires
  • Massive, brutal boss battles
  • Intense, fast-paced FPS combat stands out from the trend of plodding shooters
  • Battle online with up to 16 players

Requisitos de sistema

    Minimum
    • Operating System: Microsoft® Windows® XP SP3, Vista SP1 *
    • Processor: Intel® Dual Core 2.0 GHz or AMD™ Athlon™ 4000+
    • Memory: XP – 1 GB RAM, Vista – 2 GB RAM
    • Hard Disk Space: 7.5 GB + 1 GB Swap File
    • Video Card: 3D Hardware Accelerator Card Required – 100% DirectX 9.0c compatible 256 MB Video Memory - ATI® Radeon X1600 or Nvidia® Geforce 6800 - NOTE: Nvidia 260 GTX & Nvidia 280 GTX are not supported.
    • Sound Card: DirectX 9.0c Compatible Sound Card
    • DirectX® Version: DirectX® 9.0c
    * This product does not support Windows 95/98/ME/2000/NT or XP x64/Vista x64.
    Recommended
    • Operating System: Microsoft® Windows® XP SP3, Vista SP1 *
    • Processor: Intel® Core 2 Duo 2.4 GHz or AMD™ Athlon™ Dual Core 5200+/li>
    • Memory: 2 GB RAM
    • Hard Disk Space: 7.5 GB + 1 GB Swap File
    • Video Card: 256 MB 3D Hardware Accelerator Card with Shader 3.0 support - ATI® Radeon HD 3850 or Nvidia® Geforce 8800 GT - NOTE: Nvidia 260 GTX & Nvidia 280 GTX are not supported.
    • Sound Card: DirectX 9.0c Compatible Sound Card
    • DirectX® Version: DirectX® 9.0c
    * This product does not support Windows 95/98/ME/2000/NT or XP x64/Vista x64.
    NOTICE: Some 3D accelerator cards with the chipset listed here may not be compatible with the 3D acceleration features utilized by NecroVision. Please refer to your hardware manufacturer for 100% DirectX compatibility.



    SUPPORTED CHIPSETS

    ATI Radeon X1600
    , ATI Radeon X1900
    , ATI RADEON X1950
    , ATI RADEON HD 2400
    , ATI RADEON HD 2600
    , ATI RADEON HD 2900
    , ATI RADEON HD 3450
    , ATI RADEON HD 3850
    , ATI RADEON HD 3870
    , ATI RADEON HD 4850
    , NVIDIA GEFORCE 6800
    , NVIDIA GEFORCE 7300
    , NVIDIA GEFORCE 7600
    , NVIDIA GEFORCE 7800
    , NVIDIA GEFORCE 7900
    , NVIDIA GEFORCE 8400
    , NVIDIA GEFORCE 8500
    , NVIDIA GEFORCE 8600
    , NVIDIA GEFORCE 8800
    , NVIDIA GEFORCE 9600
    , NVIDIA GEFORCE 9800
    , NVIDIA GEFORCE 260



    SUPPORTED MOBILE CHIPSETS
    , NVIDIA GEFORCE GO 7600 (XP Only)
    , NVIDIA GEFORCE GO 7900
    , NVIDIA GEFORCE GO 8400
Análises úteis de usuários
8 de 8 pessoas (100%) acharam esta análise útil
438 produtos na conta
42 análises
0.8 hrs registradas
Nas primeiras vezes em que joguei Painkiller, o jogo tinha uma forte característica onírica: todos os movimentos pareciam ocorrer em uma velocidade reduzida, daquele jeito que filmes e jogos insistem em mostrar os sonhos, embora eu nunca tenha sonhado em câmera lenta. Mesmo objetos caindo pareciam ser regidos por uma gravidade que não era deste mundo. Por ser um jogo ambientado nas regiões abissais do Purgatório, imaginei que era uma decisão de design e ficava embasbacado com o efeito.

Não sabia que era um bug.

Um patch, baixado para o jogo por outros motivos dos quais não me recordo, devolveram a Painkiller sua reconhecida velocidade. Subitamente, se tornou um título muito diferente, hostil, frenético e eu quase senti falta daquele torpor anterior.

Pois alguns desenvolvedores da polonesa People Can Fly, responsável por Painkiller, saíram da empresa para fundar a The Farm 51 e criar NecroVisioN (doravante grafado como "Necrovision" mesmo e danem-se as maiúsculas estranhas).

E eu posso dizer que sei exatamente que desenvolvedores são estes: são os mesmos programadores que criaram o "bug dos sonhos". Cinco anos depois do jogo anterior, Necrovision sofre do mesmo problema.

Nos primeiros segundos de jogo, eu viro para o meu filho, esse eterno curioso, e digo: "vou ter que fechar, está me dando tontura". Algumas pessoas tem problemas com FPS e sentem náuseas, devido ao campo de visão mudando bruscamente, mas o corpo ficando parado na cadeira. Comigo, nunca tinha acontecido.

Volto ao jogo depois e desativo vários recursos gráficos, como HDR, Bloom e outros. Reduzo a velocidade do mouse para os giros não serem tão abruptos. E Necrovision se torna suportável. Não agradável, mas suportável. Ainda há uma estranheza no ar...

Estranheza é o tom do jogo, já que é basicamente um Painkiller na Primeira Guerra Mundial. Nas trincheiras do segundo conflito mais sangrento da história da Humanidade, forças demoníacas entram em ação para matar indiscriminadamente os dois lados do conflito.

O tutorial dura uns dois minutos se tanto, onde você se locomove por uma trincheiras, mira em um inimigo e bum! Um imenso clarão de explosão em câmera lenta, seguido de uma colossal cutscene muito borrada que se arrasta por uma eternidade, antes de ser substituída por um CGI introdutório até interessante. Quando você retoma o controle, o sonho continua.

Estou em um bunker com um soldado louco querendo me matar. Após um combate corpo a corpo que parece Tai Chi, a náusea volta um pouco. Eu paro por um tempo, sem mexer no mouse ou no teclado. A mira balança como se eu estivesse em um barco. Não é apenas um problema de performance. O maldito jogo ginga na minha tela, como um bêbado em fim de festa.
Steam marca 29 minutos de jogatina. Eu penso em desinstalação.

Pesquiso nos fóruns. Há gente com o mesmo problema, com configurações superiores. Há gente sem problemas, com configurações inferiores. Um sujeito recomenda ativar o DirectX no jogo, porque, supostamente os programadores não fizeram isso. Adicionando o parâmetro "+dx10" à inicialização deve resolver o assunto.

Mas o jogo nem abre.

Teimoso, tento "+dx9", embora a Nvidia jure de pés juntos que minha placa suporta o DirectX 10. Funciona. O "barco" para de balançar. Mas a velocidade ainda é bizarra.

Explodo a saída do bunker, obstruída por destroços e eles voam como se fossem plumas, sem pressa de cair. Saio e contemplo o horror da guerra e a beleza do jogo. Parado, Necrovision é bonito.

Múltiplos inimigos surgem de cantos obscuros da visão. Ainda bem que o dano que eles fazem é pouco, porque a minha reação é demorada. Não procuro abrigo dos tiros e vou enfileirando headshots. Mesmo nessa cadência, na pior condição possível, matar nazistas é sempre bom, ainda que eles não sejam nazistas, já que esta é a Primeira Guerra.

Esbarro em um soldado aliado escondido. Lá vem diálogo. Não faz muito sentido. O pobre infeliz pede que eu espere ele terminar uma carta para enviar para a esposa. O herói diz para o desgraçado que "eu não sou carteiro" e vai embora. É o momento em que eu perco qualquer conexão emocional que poderia estabelecer com este jogo.

Mais pra frente, encaro a clássica cena da metralhadora fixa, onde você controla uma arma poderosa enquanto mói uma onda de inimigos. Não tem a menor sensação de poder. Uma explosão próxima ilumina a tela toda de novo.

Eu acordo.

Originalmente publicado em: http://blog.retinadesgastada.com.br/#ixzz37sqRm2tK
Publicada: 18 julho 2014
Você achou esta análise útil? Sim Não
0 de 2 pessoas (0%) acharam esta análise útil
283 produtos na conta
116 análises
0.9 hrs registradas
FPS com jeitão de clássico, fast paced, muita carnificina ocorrendo na tela, primeira guerra mundial + monstros. Na cena geral achei fraquinho. As animações são muito, muito mesmo, ruins.
Publicada: 1 maio 2014
Você achou esta análise útil? Sim Não
7 de 11 pessoas (64%) acharam esta análise útil
147 produtos na conta
2 análises
23.2 hrs registradas
Fast-paced and fun the whole way through. I highly recommend this game to anyone looking for a unique shooter with a great setting. There are so few games that take place during WWI so it was refreshing to see a shooter choose that time period over WWII. The dual weapon system was different from anything I had seen in other shooters and it added another great layer of gameplay.
Publicada: 4 fevereiro 2014
Você achou esta análise útil? Sim Não
5 de 8 pessoas (63%) acharam esta análise útil
59 produtos na conta
7 análises
19.5 hrs registradas
I love this game! Every official review of it I've found was mostly negative but it is what it is. Yes it's linear, yes it's about as good as games were a few years ago, but it's good value for money and it's immersive, which is more than I can say for Halo, Call of Duty, Medal of Honor and a host of other turkeys that flapped into my barn.
Publicada: 20 fevereiro 2014
Você achou esta análise útil? Sim Não
1 de 1 pessoas (100%) acharam esta análise útil
44 produtos na conta
4 análises
11.1 hrs registradas
One of the best FPS I've ever played. Loved the fact that you can shoot, kick, melee and perform combos to attack enemies. The ambience is great, long and big levels with lot of details and locations to explore. There's a playable demo so go on and try it for youself, if you liked the demo, the full version goes better and better.
Publicada: 23 junho 2014
Você achou esta análise útil? Sim Não
8 de 8 pessoas (100%) acharam esta análise útil
438 produtos na conta
42 análises
0.8 hrs registradas
Nas primeiras vezes em que joguei Painkiller, o jogo tinha uma forte característica onírica: todos os movimentos pareciam ocorrer em uma velocidade reduzida, daquele jeito que filmes e jogos insistem em mostrar os sonhos, embora eu nunca tenha sonhado em câmera lenta. Mesmo objetos caindo pareciam ser regidos por uma gravidade que não era deste mundo. Por ser um jogo ambientado nas regiões abissais do Purgatório, imaginei que era uma decisão de design e ficava embasbacado com o efeito.

Não sabia que era um bug.

Um patch, baixado para o jogo por outros motivos dos quais não me recordo, devolveram a Painkiller sua reconhecida velocidade. Subitamente, se tornou um título muito diferente, hostil, frenético e eu quase senti falta daquele torpor anterior.

Pois alguns desenvolvedores da polonesa People Can Fly, responsável por Painkiller, saíram da empresa para fundar a The Farm 51 e criar NecroVisioN (doravante grafado como "Necrovision" mesmo e danem-se as maiúsculas estranhas).

E eu posso dizer que sei exatamente que desenvolvedores são estes: são os mesmos programadores que criaram o "bug dos sonhos". Cinco anos depois do jogo anterior, Necrovision sofre do mesmo problema.

Nos primeiros segundos de jogo, eu viro para o meu filho, esse eterno curioso, e digo: "vou ter que fechar, está me dando tontura". Algumas pessoas tem problemas com FPS e sentem náuseas, devido ao campo de visão mudando bruscamente, mas o corpo ficando parado na cadeira. Comigo, nunca tinha acontecido.

Volto ao jogo depois e desativo vários recursos gráficos, como HDR, Bloom e outros. Reduzo a velocidade do mouse para os giros não serem tão abruptos. E Necrovision se torna suportável. Não agradável, mas suportável. Ainda há uma estranheza no ar...

Estranheza é o tom do jogo, já que é basicamente um Painkiller na Primeira Guerra Mundial. Nas trincheiras do segundo conflito mais sangrento da história da Humanidade, forças demoníacas entram em ação para matar indiscriminadamente os dois lados do conflito.

O tutorial dura uns dois minutos se tanto, onde você se locomove por uma trincheiras, mira em um inimigo e bum! Um imenso clarão de explosão em câmera lenta, seguido de uma colossal cutscene muito borrada que se arrasta por uma eternidade, antes de ser substituída por um CGI introdutório até interessante. Quando você retoma o controle, o sonho continua.

Estou em um bunker com um soldado louco querendo me matar. Após um combate corpo a corpo que parece Tai Chi, a náusea volta um pouco. Eu paro por um tempo, sem mexer no mouse ou no teclado. A mira balança como se eu estivesse em um barco. Não é apenas um problema de performance. O maldito jogo ginga na minha tela, como um bêbado em fim de festa.
Steam marca 29 minutos de jogatina. Eu penso em desinstalação.

Pesquiso nos fóruns. Há gente com o mesmo problema, com configurações superiores. Há gente sem problemas, com configurações inferiores. Um sujeito recomenda ativar o DirectX no jogo, porque, supostamente os programadores não fizeram isso. Adicionando o parâmetro "+dx10" à inicialização deve resolver o assunto.

Mas o jogo nem abre.

Teimoso, tento "+dx9", embora a Nvidia jure de pés juntos que minha placa suporta o DirectX 10. Funciona. O "barco" para de balançar. Mas a velocidade ainda é bizarra.

Explodo a saída do bunker, obstruída por destroços e eles voam como se fossem plumas, sem pressa de cair. Saio e contemplo o horror da guerra e a beleza do jogo. Parado, Necrovision é bonito.

Múltiplos inimigos surgem de cantos obscuros da visão. Ainda bem que o dano que eles fazem é pouco, porque a minha reação é demorada. Não procuro abrigo dos tiros e vou enfileirando headshots. Mesmo nessa cadência, na pior condição possível, matar nazistas é sempre bom, ainda que eles não sejam nazistas, já que esta é a Primeira Guerra.

Esbarro em um soldado aliado escondido. Lá vem diálogo. Não faz muito sentido. O pobre infeliz pede que eu espere ele terminar uma carta para enviar para a esposa. O herói diz para o desgraçado que "eu não sou carteiro" e vai embora. É o momento em que eu perco qualquer conexão emocional que poderia estabelecer com este jogo.

Mais pra frente, encaro a clássica cena da metralhadora fixa, onde você controla uma arma poderosa enquanto mói uma onda de inimigos. Não tem a menor sensação de poder. Uma explosão próxima ilumina a tela toda de novo.

Eu acordo.

Originalmente publicado em: http://blog.retinadesgastada.com.br/#ixzz37sqRm2tK
Publicada: 18 julho 2014
Você achou esta análise útil? Sim Não