O melhor amigo de Quico, o Monstro, é um animal enorme com dentes afiadíssimos, mas Quico não se importa com isso, e brinca com ele mesmo assim. Além disso, o Monstro tem um problema muito perigoso: ele é viciado em sapos venenosos.
Análises de usuários: Majoritariamente positivas (1,569 análises)
Data de lançamento: 18/abr/2013

Inicie a sessão para adicionar este jogo à sua lista de desejos ou dispensá-lo

Comprar Papo & Yo

Comprar Papo & Yo: Soundtrack Edition

Includes Papo & Yo and the original soundtrack!

Conteúdo adicional para este jogo

 

Recomendado por curadores

"What begins as a puzzle platformer, and very much has its up and downs, becomes a series of brilliantly, beautifully, devastatingly evocative moments."
Veja a análise completa aqui.

Análises

“… one of the best games to come out this year.”
Kotaku

“One of the top ten games of 2012”
4.5/5 -TIME Magazine

“Papo & Yo, a lyrical tale of a boy and a monster, has set a new and altogether different standard in gaming for representing the world as it is.”
New York Times

Sobre este jogo

O melhor amigo de Quico, o Monstro, é um animal enorme com dentes afiadíssimos, mas Quico não se importa com isso, e brinca com ele mesmo assim. Além disso, o Monstro tem um problema muito perigoso: ele é viciado em sapos venenosos. Logo que ele vê um pulando, manda para dentro e entra em um estado de fúria violento, aí, ninguém, nem o Quico, está a salvo. Mesmo assim, Quico ama seu Monstro e quer salvá-lo. Como Quico, os jogadores construirão sua amizade com o Monstro solucionando quebra-cabeças e se aventurando por um mundo surreal e mágico. Os jogadores precisarão aprender a usar as emoções do Monstro, tanto as boas quanto as más, a seu favor se quiserem completar sua busca por uma cura para salvar o amigo.

Principais Características

  • Relacionamentos reais: por meio de uma mescla única de jogabilidade e narrativa interativa, os jogadores exploram o relacionamento complexo entre Quico, Monstro, Lula e Alejandra
  • Um mundo mágico: uma linda favela da América do Sul baseada no realismo fantástico que destaca obrais reais de grafiteiros famosos
  • Uma trilha sonora original cativante: um design de som emotivo criado do zero pelo compositor de origem venezuelana Brian D'Oliveira e La Hacienda Creative
  • Quebra-cabeças baseado no ambiente: explore e interaja com um mundo cheio de surpresas fantásticas para progredir em sua jornada
  • Uma história pessoal: inspirada pela infância tumultuada do diretor criativo Vander Caballero

Requisitos de sistema

    Minimum:

    • OS:Windows XP, Vista, Windows 7
    • Processor:2.2 GHz dual core or better
    • Memory:1 GB RAM
    • Graphics:NVIDIA GeForce 6800GT, ATI Radeon X1800 or better
    • DirectX®:9.0c
    • Hard Drive:4 GB HD space
    • Sound:Windows compatible sound card
    • Additional:Game supports Multi-Monitor

    Recommended:

    • OS:Windows XP, Vista, Windows 7
    • Processor:2.8 GHz quad core or better
    • Memory:3 GB RAM
    • Graphics:NVIDIA GeForce GTX 460, ATI Radeon HD 5870 or better
    • DirectX®:9.0c
    • Hard Drive:4 GB HD space
    • Sound:Windows compatible sound card
    • Additional:Game supports Multi-Monitor
Análises úteis de usuários
12 de 12 pessoas (100%) acharam esta análise útil
6.2 hrs registradas
Publicada: 24 de fevereiro
Papo & Yo é mais um daqueles jogos comoventes, aliás, acredito que ele seja um dos primeiros a contar uma história séria através de um belo mundo de fantasia.

Eu joguei "Brothers: A Tales of Two Souls" logo antes de Papo & Yo, por isso vi muitas similaridades entre os jogos de certa forma.
Papo & Yo veio antes e por isso parece um pouco mais simples que Brothers, mas isso não o torna um jogo ruim.
Aliás, parece que Brothers se inspirou em diversos aspectos de Papo & Yo, como o visual, a linguagem utilizada pelos personagens e a forma de contar a história, por exemplo.

Como citado acima, Papo & Yo possui uma história séria (alcoolismo e a violência infantil), porém contada de forma delicada através de metáforas e fantasia.

O mundo criado é baseado nas favelas do rio de janeiro, mas de uma forma muito bela e bem feita.
A trilha sonora acompanha o visual e é muito boa, principalmente a música do final.

Os puzzles são interessantes e fora do convencional, mas o jogo dá dicas do que fazer através de caixas de papelão espalhadas pelas fases.

Os controles não ajudam muito, pois são um pouco travados e nem sempre respondem corretamente, mas não comprometem o jogo.

As conquistas são fáceis de conseguir, mas exigem terminar o jogo pelo menos duas vezes.
Mas não há mais nada que te incentive a jogar mais vezes.

Papo & Yo cativa pela história e seu mundo colorido e bem feito.
Vale a pena jogá-lo até o fim e descobrir como Quico enfrentará seus problemas.
Não é melhor que Brothers, até porque é mais antigo, mas com certeza tem o seu lugar.
--------------------------------------------------------------------------
Papo & Yo is one of those touching games, in fact, I believe it to be one of the first to tell a serious story through a beautiful fantasy world.

I played "Brothers: The Tales of Two Souls" just before Papo & Yo, so I saw many similarities between the games in a certain way.
Papo & Yo came before and so it seems a bit simpler than Brothers, but that doesn't make it a bad game.
In fact, it seems that Brothers was inspired by several aspects of Papo & Yo, as the visual, the language used by the characters and the way to tell the story, for example.

As mentioned above, Papo & Yo has a serious history (alcoholism and child abuse), but told delicately through metaphor and fantasy.

The created world is based in the slums of Rio de Janeiro, but in a very beautiful shape and well made.
The soundtrack accompanies the visuals and is very good, especially the ending song.

The puzzles are interesting and unconventional, but the game gives hints of what to do through some paperboard boxes scattered through the levels.

The controls don't help much, because they are a bit stuck and not always respond correctly, but this don't compromise the game.

The achievements are easy to get, but require finish the game at least twice.
But there is nothing that encourages you to play more often.

Papo & Yo captive by history and its colorful and well done world.
It's worth to play it to the end and find out how Quico face your problems.
Isn't better than Brothers, because is older, but certainly has it's place.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
8 de 8 pessoas (100%) acharam esta análise útil
3.9 hrs registradas
Publicada: 6 de setembro de 2014
Um bom puzzle/platformer com um tema raro: abuso contado pela perspectiva do abusado. Com tanto jogo usando violência fora de contexto para agradar um público "adulto", Papo & Yo merece atenção.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
6 de 6 pessoas (100%) acharam esta análise útil
4.7 hrs registradas
Publicada: 20 de dezembro de 2014
Level Design, gráfico, história, soundtrack, o que n é perfeito nesse jogo?
O jogo conta o drama da vida do próprio desenvolvedor do jogo, Valter Caballero, que sofria com um pai alcólotra e que busca refugio e conforto em sua imaginação. Quanto mais avançamos no jogo, maior é a sua beleza, o jogo não cansa.

Puzzle divertidos, história linda, músicas de arrepiar, uma obra prima independente.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
6 de 6 pessoas (100%) acharam esta análise útil
8.6 hrs registradas
Publicada: 14 de fevereiro
“À minha mãe, meus irmãos e irmãs, com os quais sobrevivi ao monstro em meu pai”. Presente logo no início do jogo, essa dedicatória de Vander Caballero, o grande responsável por Papo & Yo, já resume bem a principal característica da obra: um enredo marcante, autobiográfico, com uma forte carga emocional e capaz de tratar de temas delicados de forma brilhante. Através do personagem Quico, Caballero expõe sua infância, marcada pela dor e sofrimento decorrentes do alcoolismo de seu pai. Como Vander mesmo descreve, Papo & Yo oferece "uma experiência que irá levá-lo das trevas à luz e ao perdão".

Com uma visão em terceira pessoa, o jogador assume o papel de um garoto que acaba sendo transportado a um mundo mágico (inclusive repleto de referências à cultura brasileira), acompanhado de seu robôzinho Lula, onde terá que resolver os mais variados puzzles para seguir em frente. O cenário é basicamente uma grande favela, onde Quico conhece Monstro, um ser imenso e amistoso na maioria do tempo. E é aí que entra a grande metáfora do jogo: Monstro, sempre amigável e calmo, se torna um ser irreconhecível ao consumir sapos verdes. A criatura se torna violenta e incontrolável e não hesita em atacar Quico. E é aí que o jogador se vê em um dilema de emoções: a criatura é carismática quando em seu estado normal, e digna de repulsa quando transtornada. Sem dúvida, uma sensação muito desagradável, vivenciada diariamente por muitas crianças que se vêem obrigas a lidar com bons pais que se transformam completamente pelo vício da bebida.

No geral, Papo & Yo é um daqueles jogos que marcam e mexem com os sentimentos do jogador. O game apresenta gráficos muito bonitos, ainda mais se tratando de um jogo indie, e a ambientação é realmente satisfatória. A parte sonora do jogo é digna de elogios, pois garante a imersão do jogador, hora com músicas um pouco mais agitadas, hora com melodias sutis e delicadas. Os puzzles encontrados durante a trama são razoáveis, não oferecendo muita dificuldade, e o jogo é bem curto, podendo ser completado em cerca de 4 horas.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
4 de 4 pessoas (100%) acharam esta análise útil
10.0 hrs registradas
Publicada: 17 de setembro de 2014
Jogo massa pacas... acredito que a história é boa pra crianças e adultos...
quanto ao jogo em sí... puzzles... divertidinho e muito bonito
vale muito a pena comprar... n me arempendo mesmo de ter escolhido entre ele e batman (mas acabei comprando batman posteriormente de qualquer forma)

vale a pena testar
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
4 de 4 pessoas (100%) acharam esta análise útil
0.6 hrs registradas
Publicada: 29 de setembro de 2014
Sem comentários!
Vale cada centavo...

11/10
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
4 de 4 pessoas (100%) acharam esta análise útil
3.6 hrs registradas
Publicada: 7 de outubro de 2014
òtimo jogo, linda história com personagens cativantes
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
6 de 8 pessoas (75%) acharam esta análise útil
12.9 hrs registradas
Publicada: 7 de novembro de 2014
To escrevendo isso um pouco pra extravazar meu desapontamento com o público jogador padrão atual. Papo & Yo pra mim foi uma experiência única e mto satisfatória. O jogo é mto bem feito em todos os aspectos técnicos e se destaca pela história e narrativa. Considerando isso não entendo como pode ser tão subestimado e pobremente avaliado, tanto pela crítica quanto pelo público. Jogos como Bayonetta e Call of Duty tem seu valor, mas quando comparo com jogos feito Papo & Yo simplesmente não consigo compreender como podem ser considerados tão superiores. Pra mim fica evidente qual tipo de jogo tem mais relevância e valor. "Ah, mas os puzzles são mto fáceis, o jogo não te desafia." Em nenhum momento achei o jogo chato apesar disso, até pq ele t prende em outros aspectos. Se vc achou o jogo chato é pq provavelmente VC é uma pessoa chata com uma visão simplória e superficial do mundo (pronto falei)
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
1 de 1 pessoas (100%) acharam esta análise útil
34.3 hrs registradas
Publicada: 10 de janeiro
muito top , !!!!!!!!!!!!!! bom de mais !!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
1 de 1 pessoas (100%) acharam esta análise útil
4.3 hrs registradas
Publicada: 16 de dezembro de 2014
Se fosse pra classificar como um jogo comum, Papo & Yo seria um puzzler até bem inventivo, onde você pode interagir com vários elementos do cenário para resolver os quebra-cabeças.

Mas este jogo não é comum. Não o compre com a idéia de ter uma experiência parecida com qualquer outra coisa que você já jogou. Diversão? Não muita. Passatempo? Inadequado.

Esta é uma obra interativa que é quase como uma sessão de terapia do desenvolvedor, abrindo para o mundo seus grandes traumas de forma muito introspectiva e sincera. Trata de um assunto muito grave de forma simples, bonita.

Destaque para o lindo design de níveis e para a trilha, que acompanha muito bem o que se passa no jogo. Especialmente para quem é brasileiro, que vai identificar vários elementos da nossa cultura.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
1 de 1 pessoas (100%) acharam esta análise útil
6.1 hrs registradas
Publicada: 15 de janeiro
A História do jogo é uma das mais bonitas que já ví!
Madura, intereçante e com quebra-cabeças legais e com tudo haver com o tema!
A analogia é perfeita! Suspeitei do que era bem no inicio, Mas o FIM é muito lindo!!!

RECOMENDO A TODOS!!!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
32 de 35 pessoas (91%) acharam esta análise útil
8.4 hrs registradas
Publicada: 20 de dezembro de 2014
Papo & Yo is a rare game that manages to perfectly represent what it is like to be a child and the effects of substance abuse by those closest to them. This surprised me, because it is hard to tell a story with such complex themes under the guise of a game with any degree of success. Yet Papo & Yo handles it beautifully, and crafts an emotionally rewarding experience that deserves to be played. It certainly has its problems, but it manages to entertain and engage the player from beginning to end.Throughout Papo & Yo you play as Quico, a young boy who explores a dream like interpretation of Brazilian styled favelas. Throughout the game you are accompanied by three characters. The first is Lula, a cute yellow robot who hangs on to Quico’s back throughout the game, and serves to help him navigate and solve the puzzles that he encounters throughout his journey. There is also a girl who uses chalk to bring buildings and other objects in the environment to life, and more often than not plays tricks rather than help. These two characters are the ones that actively communicate to you.And then there’s Monster, a giant pink beast who grunts and roars as he eats and sleeps. Despite his outward frightful appearance, he is actually quite peaceful more often than not.Papo & Yo handles the complexities of addiction and abuse extremely well, never going into lengthy explanations or long, dialogue encumbered scenes in order to convey its themes. Instead, the game mostly relies on the actions of the characters and the change in environments and scenery in order to communicate, which is a very welcome change.Throughout Quico’s journey, he will encounter puzzles of varying length and complexity that obstruct his path. What is most amazing about Papo & Yo’s puzzles is that they involve the environment in rather stunning and wonderful ways.Turning a switch can result in a building gaining legs and moving to another position, pulling a lever could turn a building sideways to unveil a hidden set of stairs, and lifting a box can create and move giant crates that could be used at your disposal. The mechanics and feel of Papo & Yo also deserve praise. The jumping and navigating of the world feels natural, and I always enjoyed how Quico interacts with his environment. The favelas are simply stunning to navigate and explore. The locations feel like they have been lived in, but also are off just enough that you can tell that it is in an imaginative world. The sounds that the environment makes as you solve puzzles and move about are a delight to listen to, and credit must be given to whoever designed the ambient sounds found within the game.Papo & Yo is a unique game. It handles its themes extremely well, and the world is simply amazing to behold. Though the game is not without its faults, chief among them a lack of difficulty and challenge, Papo & Yo should be played at least once. Trust me, the journey will be quite worth it.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
20 de 22 pessoas (91%) acharam esta análise útil
3.7 hrs registradas
Publicada: 23 de novembro de 2014
Moje česká recenze: http://www.playhit.cz/2014/11/papo-yo-utek-do-fantazie/

This game left me with my mouth hanging open, only able to make noises similar to "wow". Everybody, who has been cursed with an unreliable parent, will understand this game perfectly and remember it forever. It's an escape to a puzzle fanthasy world, where this boy Quico finds an answer to his unfair trouble. This game will give you more than just a few hours of fun. This is the case, where a game crosses the line and becomes art. 9/10
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
14 de 14 pessoas (100%) acharam esta análise útil
3.1 hrs registradas
Publicada: 12 de fevereiro
Empathy seems to be in short supply lately.

Though it’s now easier than ever to interact with others, between the endless deluge of vitriolic comments, coordinated harassment, seemingly spontaneous violence and the general lack of decency so often show to other human beings, it feels as if we’ve only become more disconnected as our methods of communication advance.

Papo & Yo is the rare game that asks for us to find the ability for greater understanding. Its design is subtle and meaningful, created in an attempt to tell nuanced human story but without the intention of forcing its meaning upon you. It’s an exploration of our capacity to love someone trapped and tormented by their inner demons, and how sometimes the ability to help them is beyond our ability.

Much of Papo & Yo is surreal and impossible, with walking houses and magic chalk lines allowing its themes to come across less overtly. Playing as the young Brazillian, Quico, the world takes on a sort of childlike wonder, delightfully playful and unconcerned with any greater troubles that might exist within it. Running around picking up frogs and reading the crayon drawn insides of cardboard boxes, I was struck by how humbly the game presents itself. It doesn’t attempt more than it knows it’s capable of, but at the same time has something important to say and wants to make sure it says it right.

One of the ways developer Minority Media achieves this, is how it presents its other main character, Monster. It’s a giant horned creature, but what’s important about it is it’s never framed as the antagonist. When you first meet Monster he’s just a big sleepy companion, who runs around with its tongue hanging out as you lead it around with the help of a mellon. These early moments help to develop the bond between Quico and Monster, as they help each other through levels and Quico shows a very clear fondness for his hulking friend.

Monster’s love of poisonous frogs however, turns him into something to fear. As he ravishly gobbles them up, his actions become violent and his appearance demonic. What was once your friend becomes an unstable brute, and in this feeling of helpless terror Papo & Yo strives to give you a glimpse at the horror of being a child surrounded by abuse. I wanted to help Monster, but any attempt to do so only lead to him taking out his aggression on me. It made me feel small and powerless to do anything but flee, and distressed that there seemed no solution to Monster’s addiction.

Papo & Yo might not be the most polished game, and its puzzle design is rife with unnecessary backtracking and tedious solutions, but it’s overshadowed by what the game represents and is trying to convey to the player. With much of the narrative being autobiographical, it makes it all the more raw and haunting to watch Quico and Monster be torn apart from each other. It’s a complicated story told with uncomplicated methods, deriving empathy through gameplay more than dialogue. From the start of the game, Minority Media seem prepared to not overly simplify the story they want to tell or to take the reassuring route with a clean cut happy ending. I’m finding it hard to completely reconcile my feelings over how everything wrapped up, but if nothing else I feel I comprehend at least a little more what those going through the sort of experiences displayed here are feeling. And that’s something we could all stand to do more often.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
11 de 14 pessoas (79%) acharam esta análise útil
1 pessoa achou esta análise engraçada
4.5 hrs registradas
Publicada: 30 de dezembro de 2014
I don't know, but i think this game should have a "horror" tag!
Every time monster runs after me i pause!! HOLY SHIIT!!!!

10\10, amazing story <3
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
8 de 9 pessoas (89%) acharam esta análise útil
9.4 hrs registradas
Publicada: 30 de novembro de 2014
A beautiful Platformer with such a matured theme very delicately handled, Kudos to the Developer! for an gaming art which portrays one of the spiteful facts of this miserable world.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
8 de 9 pessoas (89%) acharam esta análise útil
11.4 hrs registradas
Publicada: 16 de janeiro
Nice smothly game with nice puzzles and graphics :3
You can finish the whole story game twice in 10 hrs or less
it depinds on your gameplay.
10-10 from me , sorry i left it for a months ago and it deserves to play it again :)
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
7 de 9 pessoas (78%) acharam esta análise útil
3.5 hrs registradas
Publicada: 17 de outubro de 2014
Papo & Yo is one of those titles that proves videogames are an art form. With heavy handed themes and light puzzle solving mechanics, this game speaks volumes to the artistic expression the creator was trying to convey. You can't say too much about it without spoiling the narratives intent. Play it!

8/10 Lulas!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
5.3 hrs registradas
Publicada: 27 de janeiro
Papo & Yo is a 3rd person 3D puzzle platformer game, it's short game (~3 hours) with an unfolding story of a boy's journey and his conflict with the "monster". Graphics and music are beautiful and overall the game has a lot of charm.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
17.7 hrs registradas
Publicada: 22 de janeiro
I'm struggling to find words that will encourage you to play this "game". It is a wonderful story-driven platform-esque adventure game.
There's that word again...game.

For most people, that would be the end of it. Beautiful music, fantastic atmosphere, interesting characters and intriguing puzzles. 10 out of 10.

For people like me, it's an 11.

For me, this became less a game, and more of a therapy session.

When you discover the nature of the story, there will be a divisive point. Luckily, you will enjoy the game either way. Some people will be emotionally struck. Thankfully, in a very healthy way, in my humble opinion.

Experiences like this transcend the medium. They elevate it, and should be understood for more than just entertainment value, but a conduit for healing, and understanding.

That is all I can say.

Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada