* OBS. ESTE JOGO EXIGE UM CONTROLE PARA SER JOGADO * Guia dois irmãos numa viagem épica ao estilo de conto de fadas, da autoria do visionário realizador sueco, Josef Fares, e do famoso estúdio de desenvolvimento, Starbreeze Studios. Controla os dois irmãos em simultâneo, ao experimentares o inédito jogo cooperativo no modo individual.
Análises de usuários: Extremamente positivas (17,337 análises)
Data de lançamento: 3/set/2013

Inicie a sessão para adicionar este item à sua lista de desejos, segui-lo ou dispensá-lo

Observação: Brothers - A Tale of Two Sons requires a controller to play

Comprar Brothers - A Tale of Two Sons

 

Recomendado por curadores

"My top game of 2013 and probably of all time. A truly unique game in which you control a pair of brothers on a quest to save their father. Powerful."
Veja a análise completa aqui.

Análises

“"Brothers: A Tale of Two Sons is an exquisitely told story set in a world overflowing with personality. It’s an immersive, emotional gem that’s not to be missed."”
4.5/5 – Adventure Gamers

Steam Big Picture

Sobre este jogo

* OBS. ESTE JOGO EXIGE UM CONTROLE PARA SER JOGADO *

Guia dois irmãos numa viagem épica ao estilo de conto de fadas, da autoria do visionário realizador sueco, Josef Fares, e do famoso estúdio de desenvolvimento, Starbreeze Studios.

Controla os dois irmãos em simultâneo, ao experimentares o inédito jogo cooperativo no modo individual.

Resolve quebra-cabeças, explora vários locais e luta contra chefões, controlando cada irmão com um manípulo analógico.

Um homem que luta pela vida. Desesperados para curarem o seu pai doente, dois filhos só têm uma opção: têm de embarcar numa viagem para encontrar e trazer a ""Água da Vida"". Para sobreviverem, terão de confiar um no outro.
Um tem de ser forte quando o outro é fraco, corajoso quando o outro é temeroso, têm de ser… irmãos.

Esta é uma aventura que jamais irás esquecer!

Requisitos de sistema

    Minimum:
    • OS: Windows XP SP3
    • Processor: 2.4 GHz Dual Core Processor
    • Memory: 2 GB RAM
    • Graphics: NVIDIA GeForce 8600 /ATI Radeon HD 2600
    • DirectX: Version 9.0
    • Hard Drive: 2 GB available space
    • Additional Notes: Initial installation requires one-time internet connection for Steam authentication; software installations required (included with the game) include Steam Client, DirectX 9, Microsoft .NET 4 Framework, Visual C++ Redistributable 2010, and AMD CPU Drivers (XP Only/AMD Only)
Análises úteis de usuários
34 de 34 pessoas (100%) acharam esta análise útil
1 pessoa achou esta análise engraçada
3.4 hrs registradas
Publicada: 29 de março
"Brothers - A Tale of Two Sons" foi com certeza a melhor e mais prazerosa experiência que eu já tive com um jogo. Foi o primeiro jogo que me fez ir do início ao fim da campanha em uma única jogada, pois eu não conseguia desgrudar os olhos dessa bela obra de arte. O clima de fantasia do jogo é envolvente, mágico e surpreendente. Seus desenvolvedores estavam realmente inspirados ao criarem esse jogo. Não tem como não se envolver, acreditem.

Primeiramente cabe ressaltar que o jogo é original, diferente de tudo que já vi nesses vários anos de vida gamer. No jogo você controla ao mesmo tempo dois irmãos, que saem em busca da árvore da vida, a fim de evitarem que o seu pai passe dessa para melhor. A jogabilidade é tão original quanto o jogo, pois você controla os dois personagens ao mesmo tempo, um com cada direcional analógico (ah, o controle analógico é requisito obrigatório!), onde ambos se cooperam com o objetivo de alcançarem as diferentes áreas do jogo.

Em "Brothers - A Tale of Two Sons" você pode interagir com quase todo o ambiente, sendo essas interações as chaves para se alcançarem todas as conquistas do jogo. Os quebra cabeças (puzzles) são um show à parte. Juro, tudo é extremamente original e único. Nada de um ficar abrindo a porta para o outro passar... as coisas nesse jogo acontecem de forma surpreendente, pois a interação com o ambiente e com os seus diversos personagens são a chave para o sucesso.

Por final, arrisco em dizer... ou melhor, confirmo sem sombra de dúvidas em declarar que "Brothers - A Tale of Two Sons" foi um dos melhores e mais prazerosos jogos que já tive a oportunidade de jogar. Não tem como não ficar admirado com o trabalho realizado no desenvolvimento do jogo. O único ponto negativo é que o jogo uma hora acaba... e você vai ficar na esperança de aparecer algo tão bom assim, nem que seja daqui uns 10 anos!!!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
28 de 35 pessoas (80%) acharam esta análise útil
1 pessoa achou esta análise engraçada
5.2 hrs registradas
Publicada: 13 de julho
cara eu estou triste com esse jogo eu chorei ate.

como o irmão pequeno vai crescer sem mãe e sem o seu irmão maior e tem um pai duente ainda
queria pedir para os produtores adotarem essa criança e darem um futuro digno para que possa crescer e se tornar um cidadão de bem.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
13 de 14 pessoas (93%) acharam esta análise útil
3.9 hrs registradas
Publicada: 28 de junho
Pensa num jogo onde você fica triste e feliz ao mesmo tempo! Esse game é extraordinário! Sem nenhuma fala, o jogo te prende do começo ao fim! Uma história que te envolve e te deixa com os sentimentos a flor da pele! Gráficos impecáveis e muito bem feitos. Trila sonora muito boa. Puzzles que fazem com quem você tente adivinhar o que fazer com os objetos do cenário e como agir (não são puzzles muito dificeis, até por nao ter nenhuma dica). A forma de jogar com duas pessoas ao mesmo tempo faz o jogo único e de forma muito bem bolada, no início é meio estranho, mas depois acostuma fácil. Com algumas conquistas muito bacanas, o jogo te leva pra dentro da história de maneira automática, pelo envolvimento e carisma dos personagens. Recomendo muito. Selo Cyber de qualidade! :-)
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
8 de 8 pessoas (100%) acharam esta análise útil
6.0 hrs registradas
Publicada: 24 de agosto
O mundo é mágico.

O mundo é brutal.

Duas lições simples e inesquecíveis que o jogo Brothers - A Tale of Two Sons consegue atingir em um espaço de tempo em que outras obras estariam preenchendo com repetições das mesmas jogabilidades ou ainda apresentando seus personagens.

O mundo é um lugar mágico, com personagens inesquecíveis e paisagens deslumbrantes e que esconde maravilhas atrás da próxima curva da estrada. É um lugar que fica mais belo quando você para para sentar e apreciar o que está ao seu redor. Mesmo diante das maiores dificuldades ou pressionado pela mais intensa das necessidades, há tempo de sentar e refletir, de ver o caminho à frente, de colocar as ideias no lugar. Há de haver tempo para brincar com gatos ou galopar em bodes ladeira acima. Esse é o convite que o jogo nos faz.

Mas o mundo também é um lugar brutal. Há maldade em todas as formas, em todas as classes, contra todos os sujeitos, com ou sem motivos. Não se deve confiar nas aparências, nem se descuidar das armadilhas. Em cada momento, há uma lição a ser aprendida, assim como em todas as fábulas. Este conto agridoce é habilmente contado pela Starbreeze Studios (a mesma do sombrio, taciturno e igualmente favorito The Chronicles of Riddick: Escape from Butcher Bay). Aqui, a desenvolvedora constrói, de forma econômica, mas não menos poética, um universo que convida à exploração mas também alerta de seus perigos.

Este mundo mágico e brutal é uma experiência para ser jogada à dois, nem que esses dois sejam sua mão esquerda e direita ao mesmo tempo. Provando que é possível casar jogabilidade com narrativa, a Starbreeze inova ao nos permitir, aliás, a nos obrigar, a controlar dois personagens simultâneos. Cada um é comandado pelo direcional de um controle. Ou por um diferente grupo de teclas no teclado (não se engane com quem diz que não é possível, eu digo que é).

No meu caso, iniciei o jogo sozinho. Cada mão controlava os irmãos no início de sua jornada. Não fui muito longe antes de meu filho decidir que não seria mais espectador e sim um participante. Dei a ele o comando do irmão menor e fiquei com a guarda do irmão mais velho. Foi a melhor decisão que já tomei em toda minha história de jogos ao lado do meu filho. A camaradagem que brotou dentro e fora da tela não pode ser mensurada. As piadas, as instruções de um para o outro, o roleplay dos irmãos (que, na verdade, se comunicam em uma língua intraduzível, mas perfeitamente clara), tudo entrou em sintonia com o feitiço imersivo engendrado pela desenvolvedora. Tudo culminou para um dos finais mais devastadores já vistos por mim ou pelo garoto. É uma experiência que não tinha tido antes. Nem ele.

Brothers - A Tale of Two Sons é cheio de momentos assim. Únicos. Em que a jogabilidade simultânea cria situações que nenhum jogo foi capaz de criar. Apenas por esta funcionalidade, esse truque de salão, a Starbreeze já mereceria ganhar os prêmios que ganhou pelo título. Mas esta jogabilidade não está ali por acaso: a narrativa parte dela e para ela converge novamente em seu epílogo, em que o simples apertar de um botão específico é capaz de evocar tantas memórias e emoções ao mesmo tempo.

O mundo é mágico e brutal. Uma travessia para ser feita a dois. Ou a três. Ou a quatro. Porque nunca estamos totalmente sozinhos. Assim como esse jogo.

Originalmente publicado em: http://blog.retinadesgastada.com.br/2015/08/conta-comigo.html
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
7 de 7 pessoas (100%) acharam esta análise útil
1 pessoa achou esta análise engraçada
3.7 hrs registradas
Publicada: 3 de agosto
Divertido de jogar, história bem bacana, portanto, vale a jogatina. 10/10
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada