Begin a journey through one of the most original first-person games of recent years.
Análises de usuários:
Últimas:
Ligeiramente positivas (29 análises) - 79% das 29 análises de usuários dos últimos 30 dias são positivas.
Todas:
Ligeiramente positivas (5,358 análises) - 76% das 5,358 análises de usuários deste jogo são positivas.
Data de lançamento: 14/fev/2012

Inicie a sessão para adicionar este item à sua lista de desejos, segui-lo ou dispensá-lo

Indisponível em Português (Brasil)
Este produto não está disponível no seu idioma. Confira a lista de idiomas oferecidos antes de comprar.

Comprar Dear Esther

Comprar Dear Esther + Soundtrack

 

Sobre este jogo

“A deserted island…a lost man…memories of a fatal crash…a book written by a dying explorer.”

Two years in the making, the highly anticipated Indie remake of the cult mod Dear Esther arrives on PC. Dear Esther immerses you in a stunningly realised world, a remote and desolate island somewhere in the outer Hebrides. As you step forwards, a voice begins to read fragments of a letter: "Dear Esther..." - and so begins a journey through one of the most original first-person games of recent years. Abandoning traditional gameplay for a pure story-driven experience, Dear Esther fuses its beautiful environments with a breathtaking soundtrack to tell a powerful story of love, loss, guilt and redemption.

Forget the normal rules of play; if nothing seems real here, it’s because it may just be all a delusion. What is the significance of the aerial -- What happened on the motorway -- is the island real or imagined -- who is Esther and why has she chosen to summon you here? The answers are out there, on the lost beach, the windswept cliffs and buried in the darkness of the tunnels beneath the island… Or then again, they may just not be, after all…

Dear Esther is supported by Indie Fund.

Key features:

  • Every play-through a unique experience, with randomly generated audio, visuals and events.
  • Explore Incredible environments that push the Source engine to new levels of beauty.
  • A poetic, semi-randomised story like you've never experienced in a game before.
  • Stunning soundtrack featuring world-class musicians.
  • An uncompromisingly inventive game delivered to the highest AAA standards.

Soundtrack

Jessica Curry's haunting and beautiful soundtrack to Dear Esther, now available on Steam, has been a hit with gamers and critics alike. Reviewers have said ""Curry's score reflects the player's feelings without oppressively instructing them. Exquisitely constructed, both sonically and visually" (Eurogamer), "as beautiful as the game is, it’d be remiss not to mention Curry’s atmospheric soundtrack...impossible to ignore." (Edge), "spellbinding, fascinating aural landscape: a resounding success" (Square Enix), "Curry's delicate & understated musical score achieves a level of excellence. It's the ultimate achievement of composition." (Bitgamer). The soundtrack was shortlisted for the Excellence in Audio award at the Independent Games Festival 2012

Requisitos de sistema

Windows
Mac OS X
    Minimum:
    • OS:Microsoft Windows XP / Vista / Vista64
    • Processor:Intel core 2 duo 2.4GHz or higher
    • Memory:1GB XP / 2GB Vista
    • Graphics:DirectX 9 compliant video card with Shader model 3.0 support. NVidia 7600, ATI X1600 or better (Pre-Sandybridge Intel graphics chipsets not yet supported)
    • DirectX®:9.0c
    • Hard Drive:2 GB HD space
    • Sound:DirectX 9.0c compatible sound card
    Recommended:
    • OS:Microsoft Windows XP / Vista / Vista64
    • Processor: Quad core 2.4GHz or higher
    • Memory:1GB XP / 2GB Vista
    • Graphics:DirectX 9 compliant video card with Shader model 3.0 support. NVidia 8800, ATI Radeon 2900 pro or better (Pre-Sandybridge Intel graphic chipsets not supported)
    • DirectX®:9.0c
    • Hard Drive:2 GB HD space
    • Sound:DirectX 9.0c compatible sound card
    • OS: MAC OS X 10.6.7 or higher
    • Processor: Intel Core Duo Processor (2GHz or better)
    • Memory: 2GB
    • Hard Disk Space: At least 2 GB of Space
    • Video Card: ATI Radeon 2400 or higher / NVIDIA 8600M or higher / Intel HD Graphics 3000
Análises de usuários
Sistema de análises de usuários atualizado em setembro de 2016! Saiba mais
Últimas:
Ligeiramente positivas (29 análises)
Todas:
Ligeiramente positivas (5,358 análises)
Tipo de análise


Forma de aquisição


Idioma


Exibir como:
65 análises correspondem aos filtros acima ( Muito positivas)
Últimas análises
lopare
1.3 h
Publicada: 21 de agosto
Só compre o jogo se estiver em promoção,no momento está custando 19 reais. O jogo só é valido pela experiencia gráfica que ele passa,porque a história fica muito no ar. Esse é um dos clássicos ¨vale a pena piratear¨
bubsylopez®
1.6 h
Publicada: 31 de julho
Este jogo é lindo gráficamente, tem uma história confusa e uma excelente trilha sonora, mas é curto e você não faz nada além de andar e escutar o personagem narrando a história....
Vale muito a pena, pois admirar os lindos cenários é muito inspirador.
Eu recomendo, porém apenas se tiver em alguma promoção, por mais que o jogo seja belo, ele é muito curto!
Thin029
0.3 h
Publicada: 24 de julho
Não é nem um jogo! É um simulador de caminhada na ilha com umas vozes contando a pior história de depressão já escrita. Muito ruim.
TiggoRech
3.2 h
Publicada: 10 de julho
Ótimo jogo. (Farei uma revisão melhor posteriormente).
LimaReisRenan
1.5 h
Publicada: 26 de maio
Bom, só comprei porque tava barato mesmo, é bem simples!
Sr. Yamamoto
1.0 h
Publicada: 23 de dezembro de 2015
Hard to say If i Would recommend this game for someone or not.
The game has a nice storyline, but it's a kind boring.
Basically it's a game where you walk and they will say in part what is happening , with some meh soundtracks (and you will walk really slowly)
The way how the game will tell you the plot is really boring, cause it won't follow only the sequence, but it will talk about some area things, what can make the plot be confuse in some parts.
I Recommend you guys play The Vanishing of Ethan Carter instant of this...
• dj rmelancia
2.8 h
Publicada: 18 de outubro de 2015
Existem jogos que tem um cenário bonito e você mata muita gente e jogos que tem um cenário bonito e você passeia e mata ninguem, Dear Esther é do segundo grupo. É um simulador de passeio daqueles que tudo da história fica escondido ai tu vai pegando fragmentos de detalhes e reconstruindo na sua cabeça o que aconteceu pq as vezes vê uns ovo bem louco, as vezes uma passagem estranha, as vezes uns fantasminha... mas o importante é que no fim você é passarinho.

Deve ser legal jogar ele com aqueles VR tipo Oculus Rift... e bebado, bebado e com VR ao mesmo tempo.
Sr.Raphael
2.3 h
Publicada: 10 de outubro de 2015
é uma bosta
Análises mais úteis  No geral
54 de 54 pessoas (100%) acharam esta análise útil
Recomendado
11.4 horas registradas
Publicada: 2 de dezembro de 2013
Dear Esther não é um 'Jogo' para todos e que isso fique claro, alguns vão odiar, outros vão se perder e não terão a minima noção do que fazer durante o jogo, e poucos vão entender o real significado e o proposito de tudo, que na verdade vai variar entre cada jogador e sua capacidade de tirar conclusões a respeito do enredo. O jogador tem apenas três opções: Caminhar, ver e ouvir, nada mais. Então faça direito, explore o cénario, observe e observe bem, pois pequenos detalhes que você deixa passar podem deixar o jogo menos interessante.

Se deixe levar pela trilha sonora do game, que em algumas mentes vai funcionar como uma maquina do tempo e trazer a tona velhas lembraças, e atenção aos fragmentos do que parece ser uma carta que serão narradas durante o jogo. Pra quem manja do inglês vai perceber que os fragmentos da carta na verdade contam detalhes de uma historia passada em forma de poesia, e com bons ouvidos você pode detectar as rimas poéticas. Para quem não manja do inglês, aconselho baixar a tradução e ler sempre que o narrador contar um fragmento da historia, garanto que vai ajudar a entender um pouco de tudo.

A cada vez que você termina o jogo, novos detalhes aparecem o que realmente vai deixar tudo mais confuso e misterioso. Para quem gosta de cénarios bem detalhados, como praias durante um dia nublado, uma casa abandonada no topo da colina, cavernas e rios subterrâneos repletos de estalactites e estalagmites e cristais brilhantes, talvez seja uma boa experiência jogar este jogo.

Talvez Dear Esther seja um jogo para pessoas tristes ou vazias, talvez nem seja realmente um jogo... Talvez este jogo abra seus olhos e sua mente, talvez não... O que seria uma pena. O mundo está cheio de mentes fechadas.
O único defeito deste jogo, é sua curta duração que é de aproximadamente 2 horas, e por isso ele não leva um 10. Mas um 8 pelo misterio, pelo conselho e pela saudade que vem não sei de onde... Dear Esther 8/10
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
28 de 29 pessoas (97%) acharam esta análise útil
1 pessoa achou esta análise engraçada
Recomendado
1.3 horas registradas
Publicada: 24 de outubro de 2015
Uma obra de arte! Essa frase define o jogo. É aquele tipo de jogo que se (assim como eu) você jogou fora do steam, vai querer tê-lo em sua biblioteca para recompensar o trabalho, é o mínimo que se pode fazer.

Me lembro exatamente como foi, a alguns anos atrás, a primeira vez que abri o jogo e o primeiro contato com o gameplay. Na época, a reação foi: "Uau... mas que lindo... olha só para esses detalhes todos... isso é mesmo a source engine? haha". Basta andar alguns poucos metros para perceber o nível de dedicação e cuidado que foi dado a esse jogo. Se você tiver paciência para prestar atenção na história, nos cenários, pode até mesmo perceber partes da história que nem se quer foram mencionadas, tudo parece estar ligado, como se cada pedra, cada pássaro, cada pedaço de madeira, tivesse um elo de ligação muito forte com o próprio personagem (e talvez tenha mesmo).

O Dear Esther também possuí alguns contras, como por exemplo, não ter traduções para outros idiomas. Um jogo tão rico em história, tão bonito, merecia traduções. O jeito com que o narrador encontrou para repassar a história usa palavras um pouco mais complicadas, e que talvez você não entenda se não tiver um inglês realmente muito bom. Não chega a ser um impedimento já que existem várias traduções não oficiais, mas fica essa nota.

Eu não quero contar nada sobre a história para não estragar a surpresa, então tudo que posso dizer é que a história é muito bem feita, e bem emocionante. E o mais legal é que se você jogar mais de uma vez, vai perceber que os diálogos podem mudar, e até revelar outras coisas que podem não ter ficado tão claras assim. Com certeza ao final você vai ter alguma coisa bem interessante para refletir, e eu realmente adoro essa sensação.

É um ótimo jogo, lindos gráficos, história digna de admiração. O preço está ótimo, e se você gosta de boas histórias vale muito apena comprar mesmo que não esteja em promoção. Entre 0 e 10, eu daria 11 para esse jogo!

Uma ultima coisa que posso dizer é: Há muito mais vida nessa pequena ilha do que você pode imaginar.

Parabéns a todos os envolvidos. Aplausos!
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
24 de 24 pessoas (100%) acharam esta análise útil
Recomendado
1.9 horas registradas
Publicada: 13 de outubro de 2014
É realmente difícil escrever está analise, pois acredito que Dear Esther é um jogo diferente para cada um que o experimente, então vou contar o que ele foi para mim: Comprei este jogo em um bundle e tentei jogar algumas vezes, mas não entendo a mensagem do jogo, sempre desistia da tediosa tarefa de sempre seguir em frente - o fato que o jogo não salvara os capítulos que eu terminava só piorava as coisas. Mas hoje eu decidi fazer diferente: peguei o jogo e segui aquele caminho por pouco mais de duas horas: primeiro, não encontrei nenhuma interação direta como em Gone Home, então comecei a observar o ambiente e me apaixonei pela atmosfera. Então vi que o monologo poético e algumas pistas ao longo do caminho iam revelando mais detalhes da historia, e no final realmente entendi do que se trata o jogo.

Resumindo tudo isso em uma frase: Dear Esther é aquele caminho longo que você quer terminar, mas por ser tão longo você se desanima varias vezes, mas nunca desiste, por que a beleza e o clima misterioso sempre te chamam a atenção. E no final, você percebe o que importou foi o caminho.
-------------------------------------------------

It is really hard to write this review, because I believe that Dear Esther is different for each player that try the game, so I'll tell you what it was for me: I bought this game in a bundle and tried to play a few times, but do not understanding the game's message , always give up the tedious task of always moving forward - the fact that the game had not saved the chapters I finished only made ​​things worse. But today I decided to do differently: I picked up the game and follow that road for just over two hours: first, found no direct interaction as in Gone Home, so I started to observe the environment and fell in love with the atmosphere. Then I saw the poetic monologue and some clues along the way were revealing more details of the story, and in the end really understand what it is about the game.

To summarize it all in one sentence: Dear Esther is that long way you want to finish, but for being so long you discouraged several times, but never give up, for that beauty and mysterious mood always catch your attention. And in the end, you realize what mattered was the way.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
19 de 21 pessoas (90%) acharam esta análise útil
1 pessoa achou esta análise engraçada
Recomendado
1.4 horas registradas
Publicada: 15 de fevereiro de 2014
Dear Esther é basicamente mais um daqueles jogos em que sua história o confundirá ao máximo, você continuará refletindo a mesma por horas e a cada nova reflexão, uma nova conclusão sobre a mesma surgirá. E sempre, sempre lembre-se de que você nunca estará certo sobre a mesma. Contrário ao que pensamos - "Isso é ruim.", por exemplo - isso permite que você sempre faça novas descobertas sobre a história e sempre esteja curioso sobre o jogo. Antes, que fique claro: saiba que o jogo não é recomendado para todos; caso procure ação, saiba que este jogo não é para você.

Visual extremamente detalhista e uma narração eficiente garantem uma excelente experiência. Apesar de curto, é possível aproveitar ao máximo todos os detalhes que o seu cenário e o clima criado em junção com a trilha sonora oferecem. E mesmo não recebendo toda a atenção que merece pela a comunidade – e infelizmente recebendo críticas injustas da mesma –, o jogo é completamente recomendado.

Único requisito: fluência da língua inglesa. O vocabulário utilizado durante os diálogos pode atrapalhar completamente a experiência caso o jogador não consiga compreendê-lo.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
10 de 10 pessoas (100%) acharam esta análise útil
2 pessoas acharam esta análise engraçada
Recomendado
4.1 horas registradas
Publicada: 18 de junho de 2015
Como um Walking Simulator, Dear Esther consegue proporcionar uma experiência interessante que instiga o jogador a refletir e questionar sobre aquele universo onde se encontra. A ambientação é repleta de lindos cenários e detalhes que compõem a trama do narrador, certamente terá uma infinidade de prints para usar como wallpaper! Dear Esther é um jogo que requer atenção e paciência, apesar de ser bastante "parado" e não ter praticamente nenhuma interação com o cenário ou recursos de exploração de objetos/ambiente é um bom jogo, se você gosta de pensar. A propósito, não tenha medo de fantasmas.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
11 de 12 pessoas (92%) acharam esta análise útil
Recomendado
11.0 horas registradas
Publicada: 16 de março de 2014
Caras este jogo na boaaaaa valeu o que foi gasto , apesar de muitos dizerem que este jogo é um lixxo, mesmo eu vendo várias critícas eu tomei uma decisão em compra-lo aqui na steam porque gamer que é gamer testa o jogo e analisa se é bom e não como alguns fazem só de verem um trailer ou imagens já tacam pedra dizendo que é lixxo o jogo , mas bem


DEAR ESTHER é um jogo de grande porte
O cenário onde é contada a história em uma ilha foi o local crucial para fazer deste jogo um dos melhores jogos indie do ano de 2013


O ambiente tem um tom de realismo fora do comum , é uma trama que te deixa triste com um fundo musical exclente que se encaixa com o decorrer do jogo.


Dear Esther entrou para minha lista de favoritos STEAM

Eu recomendo este jogo :D
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
21 de 33 pessoas (64%) acharam esta análise útil
Não recomendado
0.8 horas registradas
Publicada: 28 de dezembro de 2013
Vou começar com uma analogia: Você tem um belo arroz, feijão, bife e batata frita na sua frente. Remova o bife!! Agora vc tem comida vegetariana? Não!!! Vc tem uma prato típico desfalcado de carne. Guarde esta analogia!

Prós:
>> Visual e Trilha sonora fazem um belo trabalho juntos
>> Visual: Belas paisagens, belas texturas e efeitos de iluminação.
>> Som: A trilha é interessante.

Contras:
>> A única coisa que vc faz no jogo é andar e ouvir uma história.
>> Problemas de save. (O jogo é dividido em 4 capítulos e vc pode carregar os 4 segundo o menu inicial, mas estranhamente muitas pessoas tiveram problemas com este progresso salvo, inclusive eu, que após estar no 4º capítulo fui obrigado a começar do início pois o game não registrou o meu progresso.

OBS:
>> Este jogo vai exigir do seu inglês. Portanto, se vc estiver desatento ou tiver dificuldades com o idioma, busque uma tradução ou espere por ela. Não vale a pena jogar Dear Esther sem saber o que está acontecendo...

Conclusão:

Estamos numa época em que mecânicas pilares como combate e puzzles estão sendo questionadas. A cada dia que passa surgem novas propostas de gameplay e de experiências diferenciadas nos games a ponto de já termos uma biblioteca bastante numerosa de iniciativas assim. Aos poucos os produtores estão encontrando o caminho, mas alguns games ainda não chegaram lá. É como retirar o bife do prato e chamar de culinária vegetariana. Não é!! Ainda estamos nesta fase, infelizmente.

Hoje temos exemplos de jogos que renegam fórmulas tradicionais e que foram o maior sucesso (mas que na minha opinião pecam por outros quesitos como enredos fracos e etc..), caso dos games da Quantic Dream e do aclamado Gone Home. Dear Esther tem um enredo e ambientação interessante, mas peca na falta de mecânicas que justifiquem o gameplay.

Dear Esther poderia ser uma boa animação, mas não é um bom game. É muito chato ficar andando... andando... andando... Isto não é explorar, isto não é jogar. Isto é ser obrigado a empurrar a seta para frente para a história continuar. É como assistir um filme e ser obrigado a segurar o botão play.... Cansativo!!!

Para piorar ainda temos o problema do save point que me fez perder tudo. Confesso que assisti o restante no youtube. Começar tudo novamente? Nem pensar.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
5 de 5 pessoas (100%) acharam esta análise útil
Recomendado
3.4 horas registradas
Publicada: 22 de setembro de 2014
It is an amazing work of art! Sons and perfect soundtracks, incredible graphics and scenarios. With an incredible story that leaves you very thoughtful.
(hopefully still be able to play it through the oculus rift!)

Unfortunately nowadays people do not value much this kind of game :(


É uma obra de arte incrível! Sons e trilhas sonoras perfeitas,gráficos e cenários incríveis. Com uma incrível história que te deixa muito pensativo.
(espero ainda poder joga-lo com o oculus rift! )

Infelizmente hoje em dia as pessoas não valorizam tanto esse tipo de jogo :(
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
Recomendado
2.0 horas registradas
Publicada: 21 de dezembro de 2012
Uma revelação em Direção de Arte e Fotografia. É um jogo "ande-olhe-e-escute", sem ação e com uma interação básica: movimento de visão e de andar. Com uma história interessante, o jogo cria uma imagem do mundo real como nunca havia visto antes no digital. Lugares espetaculares onde as cenas são trabalhadas de forma surpreendente que conseguem produzir boas sensações. Possui uma ótima trilha sonora. Pena ser um jogo curto.

Tempo para concluir o jogo (Game Length): ±1 h 30 min

Arte: 5
Desafio: 0
Diversão: 3
Gameplay: 4
História: 5
Jogabilidade: 3
Trilha Sonora: 5
Geral: 5/5

Vontade de voltar a jogá-lo: baixa
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada
2 de 2 pessoas (100%) acharam esta análise útil
Recomendado
0.3 horas registradas
Publicada: 12 de julho de 2012
Bastante confuso a princípio por usar metáforas nos textos e no cenário. Está longe de ser um exemplo de jogo divertido e é mais fácil dizer que ele é irritante pela falsa sensação de mundo aberto e controles limitados. Você provavelmente vai odiar o jogo se tentar entender o contexto ao pé da letra. Talvez seja útil ficar meio bêbado antes de se aventurar.
Você achou esta análise útil? Sim Não Engraçada